Bateria e 'periferia' da Leandro de Itaquera sacodem Anhembi

Primeira a desfilar no carnaval de SP neste sábado, escola correu para não estourar tempo permitido

Andréia Sadi, do estadao.com.br

21 Fevereiro 2009 | 23h42

A escola Leandro de Itaquera levantou o público ao abrir a segunda noite dos desfiles de São Paulo, no sambódromo do Anhembi, neste sábado, 21. Com homenagem às periferias do Brasil e destaque para a apresentadora Regina Casé, a escola segurou a arquibancada durante toda a festa. No final, teve que apertar o passo para finalizar o desfile dentro do previsto e conseguiu faltando segundos para estourar o tempo.  A bateria se dividiu ao meio diante das arquibancadas de três setores para dar passagem a uma ala que encenou danças africanas.  Veja Também: Veja fotos da Leandro na avenida Você é o jurado: avalie o desempenho das escolas   Blog: dicas para quem quer curtir e para quem quer fugir da foliaEspecial: mapa das escolas e os sambas do Rio e de SP   Saiba como chegar ao sambódromo  A ex-BBB Íris Stefanelli, a madrinha de bateria, e a apresentadora Regina Casé foram os destaques femininos da escola, que teve como enredo Leandro de Itaquera faz a festa das periferias do Brasil para o mundo...Salve, salve nossa estrela Regina Casé! Crédito: José Patrício/AE Antes de subir no quinto carro alegórico,  Regina se disse emocionada com a homenagem. "A periferia de São Paulo tem por mim um carinho que eu não suspeitava", afirmou. Dizendo-se "muito feliz" com esse carinho, ela ressaltou que os protagonistas do enredo da Leandro são todos os moradores de periferia do País, que ajudam a fazer o carnaval. "A homenagem não é a mim, mas às periferias." O carro abre-ala, que  lembrou a Guerra dos Canudos, interagiu com a comissão de frente "Os Retirantes"- que tratou da vida dos nordestinos em busca de melhores condições.  Crédito: José Patrício/AE Entre os destaques, estão as alas que levaram para a avenida os "sonhos de periferia": componentes da escola fantasiados de carteiras de trabalho emeninos vestidos de jogadores de futebol. O quarto carro homenageou o som da periferia. Apelidado de o carro do "creu", a alegoria lembra os diversos gêneros musicais da periferia. "Se liga no som, é rap, baião", diz trecho do enredo.  No começo do desfile, a porta-bandeira da agremiação, Karin se apresentou com o mestre-sala Paulinho. Aos 13 anos, Karin pediu ao pai uma escola de samba. Seu pai, Leandro Alves Martins, criou a Leandro de Itaquera em 1982.  O primeiro carro alegórico veio com o símbolo da escola da zona leste: o leão. "Tenho garra, vou à luta...sou leão..'', diz o enredo. A escola contou com 3.600 componentes, 26 alas e os cinco carros alegóricos. Em 2008, foi a segunda colocada do Grupo de Acesso.  (Colaborou Carolina Freitas, da AE)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.