Bastidor: Solução da Câmara desvincula Haddad dos sem-teto

Oficialmente, quem atende às exigências do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto é a Câmara e não mais a Prefeitura

Adriana Ferraz e Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

17 de junho de 2014 | 20h33

SÃO PAULO - A decisão de apresentar um projeto de lei específico para contemplar as reivindicações dos sem-teto de Itaquera desvincula o tema da figura do prefeito Fernando Haddad (PT). Oficialmente, quem atende às exigências do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) é a Câmara Municipal e não mais a Prefeitura. Nos bastidores, Haddad e o relator do Plano Diretor, vereador Nabil Bonduki (PT), comemoram a solução. A partir de agora, o coordenador do MTST, Guilherme Boulos, não poderá mais atribuir ao prefeito a responsabilidade de regularizar ou não a ocupação erguida a 4 km da Arena Corinthians. 

Nesta terça-feira, 17, mais aliviado, Haddad se sentiu livre para dizer que seria “imprudente que a votação do Plano Diretor se misturasse com uma questão muito recente na cidade”. Nas últimas semanas, foi a primeira vez que o prefeito revelou opinião tão clara sobre a questão. Para não deixar dúvida, afirmou que o Executivo não teve nenhuma iniciativa em relação ao projeto. “Nós só estamos promovendo o diálogo para evitar que os humores possam comprometer o bom andamento do Plano Diretor”, disse. 

Na Câmara, a mesma tese é defendida pelos vereadores da base aliada. Líder do governo na Casa, Arselino Tatto (PT) foi enfático ontem ao defender o tema em plenário, mas sem citar o nome do prefeito. 

Tudo o que sabemos sobre:
MTSTPlano Diretor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.