Bastidor: Pressão de partidos sobre o Executivo deve aumentar

Bastidor: Pressão de partidos sobre o Executivo deve aumentar

Prefeito Fernando Haddad (PT) dá sinais de que vai ceder, a exemplo de seus antecessores

Diego Zanchetta, O Estado de S. Paulo

17 Dezembro 2014 | 03h00

Encurralado por vereadores da base governista que exigem cargos para votar projetos considerados fundamentais para a Prefeitura em 2015, o prefeito Fernando Haddad (PT) dá sinais de que vai ceder, a exemplo de seus antecessores. O PSD do ex-prefeito Gilberto Kassab, por exemplo, barrava a proposta que permitia devolver dinheiro do IPTU até ganhar, nos últimos dois dias, a vice-presidência do Legislativo e a Subprefeitura da Vila Prudente. Fora da nova Mesa Diretora, quem exige mais espaços agora é o PMDB, sigla que já comanda três secretarias. 

A fila de insatisfeitos ainda tem o PV, que recebeu a Corregedoria da Câmara, órgão sem verbas e com apenas dois cargos comissionados. Para 2015, a pressão por cargos sobre Haddad deve aumentar. A bancada do PT na Câmara também tem posição favorável ao loteamento das subprefeituras, como forma de facilitar a aprovação de propostas.

DIEGO ZANCHETTA É REPÓRTER DO 'ESTADO'

Mais conteúdo sobre:
São PauloFernando Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.