Daniel Teixeira|Estadão
Daniel Teixeira|Estadão

Bastidor: Alckmin é saudado como presidente

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) foi saudado como “presidente” pela plateia do Teatro Municipal, embora tenha feito discurso comedido. O prefeito João Doria, seu afilhado político, lançou o padrinho mais uma vez como candidato à Presidência: “Com Geraldo Alckmin, vamos colocar o Brasil nos trilhos.”

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

02 Janeiro 2017 | 03h00

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) foi saudado como “presidente” pela plateia do Teatro Municipal, embora tenha feito discurso comedido. O prefeito João Doria, seu afilhado político, lançou o padrinho mais uma vez como candidato à Presidência: “Com Geraldo Alckmin, vamos colocar o Brasil nos trilhos.”

Apesar de o PSDB ter registrado na cidade de São Paulo sua mais importante vitória nas eleições municipais de 2016, não havia na plateia nenhum tucano do primeiro escalão nacional. As ausências chamaram a atenção, já que Alckmin trava disputa interna com o senador Aécio Neves e com o ministro José Serra pela vaga de candidato ao Palácio do Planalto no próximo ano.

Doria minimizou a ausência dos colegas tucanos. Disse que recebeu inúmeras mensagens e fez referência especial ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que, segundo o prefeito, estava em viagem ao exterior. As cadeiras do teatro foram ocupadas por integrantes do grupo político de Alckmin – secretários estaduais, deputados federais e estaduais, além de lideranças partidárias e empresários ligados ao Lide (Grupo de Líderes Empresariais).

Na cerimônia, Alckmin saudou Mario Covas e o neto dele, Bruno Covas, que assumiu o cargo de vice-prefeito, fez menção à crise econômica nacional e não citou o presidente Michel Temer. “Não é verdade que ele (Doria) nega a política. Ele se identifica com a política de Mario Covas”, disse o governador. “Agora quem dá a bola é o João Doria”, brincou, em referência ao hino do Santos, time de futebol do prefeito e do próprio governador.

Já o agora ex-prefeito Fernando Haddad (PT), apesar de aplaudido quando anunciado, ouviu uma pessoa da plateia gritar “tchau, querido” no momento em que deixou o palco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.