Bases comunitárias da PM já ocupam Cidade Universitária da USP

Polícia alterna dias e horários nos portões da USP; corporação deve iniciar operação em dezembro

Luísa Alcalde, Jornal da Tarde

24 Novembro 2011 | 17h51

SÃO PAULO - Sem fazer alarde, apenas por cerca de uma a três horas por dia, em períodos alternados (manhã ou tarde), a Polícia Militar já tem colocado há alguns dias duas bases móveis comunitárias do lado de dentro dos portões 1 e 3 da Cidade Universitária da USP, na zona oeste da capital.

A estratégia foi adotada para que a PM possa sentir a reação da comunidade acadêmica. E também para evitar que manifestantes contrários à presença de policiais no câmpus vejam a instalação das bases como uma provocação ao movimento.

Oficialmente, a corporação fala que está desenvolvendo estudos e não divulga data para que as bases comecem a operar na USP. A instalação oficial estava prevista para a quarta-feira, dia 16, mas como um grupo de estudantes ameaçou protestar contra a medida, a PM resolveu adiá-la.

Diariamente, cerca de 40 PMs patrulham o câmpus da USP a pé, em motocicletas e em viaturas.

Mais conteúdo sobre:
USP PM polícia educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.