Barulho, lixo e insegurança

PARAISÓPOLIS

O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2012 | 03h03

Para quem reside nas imediações da Favela de Paraisópolis, os problemas são incontáveis. Falo sobretudo da Rua Ernest Renan, no trecho entre o ladeirão de Paraisópolis e a Rua Clementinne Brenne, aí incluídas as Ruas Antonio Júlio dos Santos, Antonieta Ferraz Diniz, João Dias da Costa e João Avelino Pinho Mellão. Apesar do alto custo do IPTU, temos desvalorização imobiliária, insegurança e degradação da região. Um dos problemas é o estacionamento irregular de veículos nas estreitas vias e até na calçada! Fora os estabelecimentos religiosos e os bares clandestinos que produzem som altíssimo. Há ainda veículos abandonados, lixo acumulado, a ocupação irregular de calçadas por barracos de alvenaria e os veículos dotados de potente equipamento de som, que também fazem muito barulho.

FRANCISCO ANTONIO BIANCO NETO / SÃO PAULO

A Subprefeitura Butantã esclarece que agentes de fiscalização vão programar uma vistoria geral nos locais para averiguação e providências. Se o local estiver com entulhos, eles serão retirados, quanto aos carros abandonados, um levantamento foi feito na região desta subprefeitura e estão sendo retirados de toda a área que abrange mais de 50 km2.

O leitor reclama: Praticamente nada foi feito. E normalmente é assim mesmo. A única ação que percebi foi a presença de uma equipe de policiais multando veículos estacionados na calçada, na R. Antonio Júlio dos Santos. Isso, se não me engano, foi num domingo. Depois, os veículos continuam estacionados tanto naquela rua quanto nas outras vias citadas. O barulho e os demais problemas continuam sem nenhuma solução.

OBRA NA PRAÇA GIOIA JR.

Risco de acidentes

Nosso prefeito deveria ter mais cuidado ao fazer declarações. No Estado de 21/4, nas Twittadas da semana (pág. C2), consta: "A calçada é sua! Uma calçada conservada garante segurança e conforto ao pedestre". Acontece que o prefeito se esquece de fazer sua parte. Como exemplo, cito a Praça Gioia Júnior, no Itaim-Bibi. Há muitos meses foi feita uma reforma viária no local. Mas as calçadas estão abandonadas até hoje. Junto ao marco que dá nome à praça, deixaram quatro chumbadores saindo do piso em cerca de 10 centímetros. É uma armadilha perfeita para alguém tropeçar, cair e se machucar. O que deveria ser a calçada em torno disso também está um lixo. Na ponta da praça (Rua Brigadeiro Haroldo Veloso com a Avenida Horácio Lafer) existe também um resto de tubo de alguma sinalização anterior, nas mesmas condições dos chumbadores. Ora, é o típico serviço malfeito executado por alguma empreiteira que, certamente, já foi paga. O pior é ninguém fiscalizar a obra antes de aceitá-la como concluída.

LADISLAU A. BATHO / SÃO PAULO

A Subprefeitura Pinheiros informa que, após vistoria, constatou que a calçada da Praça Gioia Jr. se encontra em bom estado e que entrou em contato com a CET solicitando que sejam tomadas as providências necessárias.

O leitor critica: Lamentável a resposta. Acho que precisam de óculos e treinamento para saber o que significa "bom estado". Se não fazem as coisas direito, pelo menos tenham coragem de dizer isso abertamente.

REPARO MALFEITO

Calçadas são remendadas

Negócio da China mesmo é ser dono de uma das empresas contratadas pela Prefeitura de São Paulo para fazer consertos nas calçadas, em especial na Rua Conselheiro Crispiniano. Os consertos duram, quando muito, de duas a três semanas e a empresa volta para fazer remendos com "pozinho" de cimento, que é para durar pouco mesmo. Em frente ao n.º 72 dessa via fizeram outro remendo e quem pôs as pedras portuguesas simplesmente as jogou no local.

RICARDO GUERRINI / SÃO PAULO

TAPA-BURACO

Serviço incompleto

É curioso como vem funcionando o SAC da Prefeitura de São Paulo. Em 18/4 fiz duas solicitações de tapa-buraco, uma na Rua Alagoas e uma na Rua Itajobi. Passada uma semana fui verificar qual era a situação das solicitações. Qual não foi minha surpresa ao constatar que no dia 19/4 o sistema indicava que o serviço havia sido efetuado. Contudo, ao retornar às ruas, em 26/4, vi que nenhum serviço tinha sido realizado. Sugiro que a Prefeitura os reveja seus processos.

PEDRO LOEB / SÃO PAULO

A Subprefeitura Sé informa que o serviço de tapa-buraco nas Ruas Alagoas e Itajobi foram executados na noite do dia 7/5.

O leitor desmente: O serviço foi realizado na Rua Alagoas, mas na Rua Itajobi nada foi feito até agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.