Barracos são erguidos ao lado de hospital

Em 4 dias, 300 foram construídos na Vila Nova Cachoeirinha, zona norte da capital; terreno pertence à Prefeitura

Laura Maia de Castro, O Estado de S.Paulo

16 Janeiro 2014 | 02h02

Em apenas quatro dias, 300 barracos foram erguidos em um terreno da Prefeitura de São Paulo ao lado do estacionamento do Hospital Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte. A ocupação organizada pelo movimento Federação Pró Moradia do Brasil já tem 500 pessoas. Nem a chuva forte ou o sol escaldante dos últimos dias fez com que os sem-teto parassem de trabalhar na construção.

Ontem à tarde, por duas entradas no terreno - uma delas em buraco no muro de concreto -, não paravam de entrar pessoas carregando pedaços de madeira de todos os tamanhos para erguer os barracos. A expectativa é de que em dois dias o local já esteja pronto para alocar todas as famílias, com banheiros e cozinha coletivos.

Por enquanto, quase ninguém tem móvel, mas muitos já dormem lá, como o segurança aposentado Joaquim Rodrigues dos Santos, de 73 anos. Santos suava, martelando o teto de madeira da casa debaixo do sol de meio-dia de ontem e se emocionou ao falar da construção. "Está difícil, mas estou feliz. Morava de aluguel, mas estava muito apertado para pagar."

Segundo o advogado do movimento, Lucas Rocha do Nascimento, a ocupação vai chamar a atenção da Prefeitura para a reivindicação de 12 associações pró-moradia de São Paulo. "Estamos negociando a utilização deste local com a Cohab (Companhia Metropolitana de Habitação) há mais ou menos quatro anos", disse.

Segundo a Secretaria Municipal de Habitação (Sehab), trata-se de uma reocupação no terreno que é um antigo estacionamento do Hospital Municipal Vila Nova Cachoeirinha. A Sehab diz que planeja um atendimento social para essa área, mas que não havia negociações em curso sobre o terreno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.