José Patrício/AE
José Patrício/AE

Bares e restaurantes são novo alvo dos criminosos em SP

Arrastões entre clientes têm sido comuns; este ano, foram 15 casos na Grande SP. Ladrões miram áreas nobres

Camilla Haddad, Jornal da Tarde

02 Março 2010 | 00h01

O comerciante João Carlos não acreditou que escaparia da morte. À frente do China In Box - unidade Portal do Morumbi -, viu seu restaurante ser invadido por quatro ladrões em 17 de fevereiro. Além de levar o dinheiro do caixa, o grupo promoveu um arrastão entre os clientes. "Os assaltantes tinham revólveres e até facas", lembra. O estabelecimento de João integra uma lista com 15 bares e restaurantes assaltados este ano - em 10 deles, os clientes também foram roubados. O número pode ser maior pois algumas vítimas não registram a ocorrência.

 

Dados consultados com policiais civis mostram que a maioria dos arrastões e roubos ocorre em regiões nobres da cidade, como os bairros de Vila Olímpia, Morumbi e Campo Belo, todos na zona sul, e por quadrilhas distintas. O sindicato do setor explica que, em 2009, os assaltos eram diferentes. Isso porque as quadrilhas exigiam o caixa do dia, em horários em que não havia mais clientes, por volta da meia-noite ou de madrugada. De dezembro para cá, bandidos têm preferido roubar quando a casa está cheia de clientes, pois levam também celulares, joias e carteiras.

 

Edson Pinto, diretor do Sindicato de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares (SinHores-SP), diz que, no final do ano passado, a entidade chegou até a comentar o caso com o secretário da Segurança Pública, Antônio Ferreira Pinto. No encontro, que até então teria sido organizado para discutir a infraestrutura para a Copa do Mundo de 2014, teve o foco desviado para os roubos nos estabelecimentos. Procurada, a Secretaria da Segurança Pública informou desconhecer o encontro na agenda do secretário.

 

MUDANÇA DE HÁBITO

 

Para o diretor do sindicato, a tendência é que os proprietários invistam na parte de segurança dos restaurantes e bares para garantir a tranquilidade dos clientes. "Do ano passado até agora, não é só o restaurante roubado. Infelizmente nossos clientes acabam sendo assaltados junto." Segundo Edson Pinto, o setor está agindo com reforço de vigilantes e câmeras. Alguns improvisam e apelam para viaturas da Polícia Militar da área, para que atuem mais intensamente no patrulhamento das ruas.

 

Na opinião do especialista em segurança Felipe Gonçalves, criminosos têm dado preferência ao restaurante cheio para aproveitar e roubar também o cliente. "Eles aproveitam e levam também celular, palmtop, notebook, dinheiro e cartão bancário." De acordo com Gonçalves, no restaurante acaba sendo relativamente fácil dominar as vítimas. "No geral, tem só duas entradas, uma principal e uma de serviços, aí o ladrão rende todo mundo, pega o dinheiro do caixa e dos fregueses."

 

A Secretaria da Segurança Pública foi procurada para informar se houve aumento de casos em relação ao mesmo período do ano passado e orientou a reportagem a pesquisar as estatísticas no site. Mas nos índices o roubo a restaurantes e bares está diluído nos ataques a estabelecimentos comerciais da capital. Oficiais do 16º Batalhão disseram vão se manifestar sobre os arrastões próximos a uma base da Polícia Militar no Morumbi hoje.

 

DICAS DE SEGURANÇA

 

linkDonos de bares devem evitar deixar muito dinheiro em caixa;

 

linkCertifique-se dos antecedentes dos funcionários;

 

linkSe possível, deixe as portas do estabelecimento fechadas e um funcionário na entrada;

 

linkDesconfie de veículos que passem várias vezes em frente ao local. Caso isso ocorra, acione a polícia e passe as características;

 

linkNão reaja para não colocar em risco a vida de funcionários e clientes. Já os clientes devem evitar deixar os celulares nas mesas.

Mais conteúdo sobre:
SPviolênciaarrastão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.