Divulgação
Divulgação

Banhistas são atacados por piranhas em prainha do interior

Ao menos 8 pessoas ficaram feridas no Rio Grande, em Populina, na divisa com MG; segundo biólogo, seca pode ter influenciado

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

07 Janeiro 2016 | 11h25

SOROCABA - Pelo menos oito pessoas ficaram feridas após sofrer ataques de piranhas na Prainha Municipal de Populina, região norte do Estado de São Paulo. Com ferimentos nos pés, pernas e mãos, as vítimas foram atendidas na Santa Casa da cidade. Os casos, registrados entre o ano-novo e o último sábado, 2, levaram a prefeitura a instalar placas advertindo os banhistas para o risco. A prainha fica no Rio Grande, na divisa entre os Estados de São Paulo e Minas Gerais.

De acordo com a secretária municipal de Saúde, Rafaela Fernandes de Souza, o número de vítimas pode ser maior. "Temos registro apenas dos casos que exigiram atendimento médico, em que a mordida do peixe tirou pedaço ou causou ferimento mais profundo."

A cidade é pequena, com 4,2 mil habitantes, mas, segundo a secretária, a prainha atrai turistas de toda a região. A prefeitura instalou quiosques e estrutura para os visitantes. "Não interditamos o local, pois ali moram pescadores que dependem do rio para sobreviver."

No ano passado, houve registro de ataques esporádicos de piranhas em prainhas de Adolfo e Anhembi, cidades banhadas pelo Rio Tietê.

De acordo com o biólogo Bruno Benhocci, especialista em peixes, o fenômeno pode estar relacionado à estiagem dos últimos dois anos que reduziu a oferta de alimentos para a fauna aquática. Banhistas que frequentam prainhas de água doce geralmente levam alimentos que, em muitos casos, vão parar na água, atraindo os peixes.

No ano passado, no auge da crise hídrica, ocorreram ataques de piranhas até a viveiros de tilápias na Represa de Jurumirim, no Rio Paranapanema. A espécie que está atacando é conhecida como pirambeba, ou piranha-branca.

Em anos anteriores, houve mordidas em série no balneário municipal de Rancharia, no oeste paulista. A solução encontrada pela prefeitura para amenizar o problema foi realizar campeonatos de pesca, premiando quem fisgasse o maior número de piranhas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.