Bando usa carros para bloquear PM e saquear cidade

Grupo que invadiu Santa Cruz das Palmeiras tinha como principal alvo caixas eletrônicos e deixou rastro de pavor

RENE MOREIRA, ESPECIAL PARA O ESTADO, FRANCA , O Estado de S.Paulo

25 Abril 2013 | 02h06

Pelo menos dez bandidos armados com espingardas, pistolas e fuzis invadiram a cidade de Santa Cruz das Palmeiras, na região de Campinas, explodiram caixas eletrônicos, isolaram a força policial do município de 29,9 mil habitantes e fugiram após deixar um rastro de cápsulas deflagradas, sete caixas eletrônicos explodidos e um carro em chamas. O ataque foi na madrugada de ontem.

Segundo a Polícia Militar, assim que uma testemunha ligou para avisar que as agências do Banco do Brasil e do Santander na Avenida 15 de Novembro estavam sob ataque, foi ouvida uma explosão no portão dos fundos da sede do pelotão. Um carro foi incendiado sobre a calçada, fechando a saída de viaturas. Só dois carros da polícia estavam nas ruas, com dois policiais cada. Eles foram até o local dos assaltos, mas só conseguiram manter o perímetro e esperar o reforço de outra cidade.

Na avenida, integrantes da quadrilha vigiavam a rua ao mesmo tempo em que os comparsas recolhiam o dinheiro roubado dos caixas eletrônicos, explodidos com dinamite. Um morador que passava de carro pela região teve o veículo metralhado, mas não foi atingido. Nas ruas da cidade, ficou um rastro de cápsulas deflagradas dos mais diversos tipos de armas, como as pistolas 762, 380 e .40, além de cartuchos de espingarda calibre 12 e de fuzil.

Medo. O ataque aos caixas deixou a população apavorada. "A sensação é de desamparo", disse José Bussaglia, dono de uma farmácia na Avenida 15 de Novembro. O aposentado João Rosa da Silva falou que a ousadia dos assaltantes tem sido o tema principal nas rodas de conversa. Para ele, é apavorante acordar à noite ouvindo barulho de tiros nas ruas. "Esse negócio de viver tranquilo, deixar a porta aberta ou sentar na frente da casa já virou coisa do passado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.