Bando invade delegacia e liberta três presos

Quinze homens armados com fuzis usaram mulher como isca e entraram pela porta da frente de DP de Jacareí; câmeras e cercas estavam quebradas

Camilla Haddad, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2010 | 00h00

Aproveitando as falhas de segurança da Cadeia Pública de Jacareí - as câmeras de vigilância e as cercas elétricas estão quebradas -, 15 homens armados com fuzis entraram pela porta da frente da 1.ª DP e resgataram da cela um preso ligado ao Primeiro Comando da Capital (PCC) e dois colegas de cárcere. A ação, às 4h de ontem, levou 5 minutos. "Viemos buscar o 15.º homem do PCC", gritava o grupo.

Para fazer o resgate, o bando usou como isca uma mulher morena que simulou estar sendo assaltada na rua. Foi ela quem atraiu a escrivã até a porta para que fosse dominada. O grupo passou pelo plantão arrastando a funcionária e foi até a carceragem. Ali, pegaram o carcereiro e obrigaram-no a destrancar a cela de José Nivaldo da Silva, de 37 anos, o Ratinho do PCC. Além dele, foram libertados Fernando Soares, de 22 anos, e Marco Antônio da Costa, de 32. Nenhum dos três foi recapturado.

O delegado plantonista e um investigador haviam saído para um lanche. Segundo João Valle da Silva Leme, seccional de Jacareí, Ratinho é considerado um preso de alta periculosidade. Na ficha do preso existem passagens por ameaça, roubo e porte ilegal de arma. Nas cinco celas, com capacidade para 30 presos, havia 74 ontem.

Blitz. Ratinho, procurado por roubo em São José dos Campos, estava detido em Jacareí desde o dia 30, quando foi detido pela Polícia Rodoviária Estadual em Jambeiro, no interior, em uma blitz. Os outros detentos que fugiram não teriam ligação com o PCC. Um deles, Soares, foi flagrado em março com 15 pinos contendo cocaína. Já Marco Antonio foi preso por falsidade ideológica. Na cela em que estavam, havia mais 17 presos.

Antes de deixar a delegacia, o bando bateu no abdome da escrivã e do carcereiro com fuzis. Por prevenção, 13 presos foram transferidos.

A polícia já sabe que o grupo, antes do resgate, bebeu em uma loja de conveniência quase em frente à 1ª DP. Só depois entraram no local. Eles estavam com uma Kombi e outros dois carros. No fim da tarde foram apreendidos um Celta com dois celulares que teriam sido usados na ação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.