Divulgação
Divulgação

Bando explodiu várias vezes parede de transportadora para chegar ao dinheiro

Quadrilha atacou empresa em Santos na segunda-feira passada; imagens foram divulgadas e mostram detalhes da ação do grupo

O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2016 | 23h18

SÃO PAULO - Imagens de câmeras de segurança da transportadora Prosegur, alvo de ataque de uma quadrilha armada com fuzis na segunda-feira passada, mostram detalhes da ação do bando. O grupo composto por mais de 15 homens usou, em ao menos quatro oportunidades, explosivos para conseguir destruir a parede da empresa e ter acesso ao cofre, levando malotes de dinheiro.

A gravação foi revelada pela Rede Globo nesta quinta-feira, 7. Câmeras de ruas do bairro mostram a aproximação de um comboio dos criminosos por volta das 4 horas da manhã. Um caminhão e cinco veículos de passeio chegam à rua da transportadora. O caminhão, que estava só com sua parte da frente, conhecida como "cavalo" e responsável pela tração, faz uma manobra brusca na rua e atinge o portão da Prosegur, que cai mesmo estando apoiado a um carro-forte.

Nos próximos 50 minutos, os criminosos invadiriam a empresa e, após sucessivas explosões de dinamite, teriam acesso ao dinheiro após conseguirem destruir uma parede de estrutura reforçada. As imagens mostram homens com coletes balísticos e máscaras atirando nas guaritas da transportadora e dando cobertura para continuação do roubo.

Viaturas da Polícia Militar que tentaram se aproximar na madrugada foram recebidas com tiros. O uso de explosivos e a intensa troca de tiros levou pânico aos moradores do bairro residencial onde a empresa funciona.

Os malotes foram jogados nas caçambas de picapes e o grupo fugiu. A quadrilha seguiu pela Avenida Anchieta, onde, ao se deparar com um bloqueio da Polícia Militar Rodoviária, respondeu com tiros e matou dois soldados.

Em um dos carros abandonados pelo grupo durante a ação, a polícia conseguiu recuperar R$ 8,9 milhões. O valor total roubado não foi divulgado. Ninguém foi preso pelos crimes até esta quinta e a Secretaria da Segurança Pública está oferecendo R$ 50 mil para quem fornecer informações de paradeiro dos criminosos. 

Tudo o que sabemos sobre:
SÃO PAULORede GloboPolícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.