Reprodução Google Street View
Reprodução Google Street View

Bando explode duas agências bancárias e atira contra polícia em Jambeiro

Policial Militar relatou que os assaltantes tinham armas a laser e usavam a mira para intimidar os policiais que estavam na base

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

27 Novembro 2017 | 10h19

SOROCABA - Um bando fortemente armado explodiu duas agências bancárias e atirou contra a base da Polícia Militar, na madrugada desta segunda-feira, 27, em Jambeiro, no Vale do Paraíba, interior de São Paulo. 

O ataque aconteceu por volta das 3h30 e assustou os moradores da cidade, de 6,2 mil habitantes. Os criminosos explodiram primeiro os caixas eletrônicos da agência do Bradesco. Em seguida, se dirigiram ao Banco do Brasil e explodiram o cofre da agência. Os dois prédios ficaram destruídos pela força da explosão.

+++ Ladrões invadem condomínio na zona sul de SP e fazem arrastão

    

Durante a ação, os criminosos fizeram disparos com armas longas em direção à base da Polícia Militar. Os tiros impediram que os policiais saíssem do prédio. 

Um PM relatou que os assaltantes tinham armas a laser e usavam a mira para intimidar os policiais que estavam na base. Os criminosos fugiram em direção a Caçapava. Viaturas dessa cidade foram acionadas, mas não conseguiram localizar os suspeitos. Até a manhã, ninguém tinha sido preso. O valor levado das agências não foi divulgado.

+++ Chuvas deixam SP em estado de alerta e atrasam manhã do paulistano

Jambeiro é a sétima cidade do Vale do Paraíba atacada este ano por quadrilhas que assaltam bancos com uso de explosivos. 

Desde maio, os criminosos explodiram um posto bancário em Pindamonhangaba e agências em Igaratá, São Francisco Xavier (distrito de São José dos Campos), São Bento do Sapucaí, Santo Antonio do Pinhal e Piquete. Nas duas últimas, os criminosos explodiram duas agências em cada investida. 

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) do Estado informou que os ataques a caixas eletrônicos caíram 22,4% de janeiro a setembro, em comparação com o ano passado. Foram 69 ocorrências este ano, contra 89 em 2016. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.