Bando espanca moradores em arrastão

Ladrões agiram com crueldade durante roubo a prédio no Paraíso, zona sul de SP; quadrilha lotou carro com objetos levados

CAMILLA HADDAD, O Estado de S.Paulo

04 Abril 2012 | 03h07

Disfarçado de carteiro, um assaltante conseguiu invadir ontem o Edifício Monte Verde, no Paraíso, zona sul de São Paulo, e abrir caminho para um bando de 20 homens fazer arrastão em dez apartamentos. Na ação, os criminosos fizeram um corte na orelha de um morador, espancaram uma jovem e ameaçaram uma mulher com um bebê de colo. Por três horas, as vítimas ficaram amordaçadas em um quarto na garagem do condomínio.

Os bandidos chegaram ao local por volta das 8 horas. Os moradores eram rendidos quando saíam para trabalhar. A quadrilha só deixou o prédio, localizado na Rua Paraíso, após lotar quatro veículos com dinheiro e objetos de valor. Foram roubados uma coleção de moedas de um juiz e US$ 7 mil de um condômino.

Segundo a polícia, foi o sétimo arrastão na cidade de São Paulo neste ano. Mesmo encapuzados, os bandidos ainda levaram os computadores com imagens dos circuito de segurança, o que pode dificultar a investigação.

Momentos de terror. Uma estudante de 20 anos estava a caminho da faculdade quando foi surpreendida na porta do elevador, no subsolo. Assustada, ela deu um grito e foi espancada. A polícia disse que a jovem levou uma coronhada e vários socos no olho direito. Muito ferida, ela foi encaminhada para o Hospital Oswaldo Cruz, na zona sul.

Em seguida, uma mulher de origem oriental desembarcou do elevador com uma criança de 8 meses. Ela foi abordada por dois ladrões que disseram: "Perdeu, perdeu. É um assalto". A dupla fez ameaças de morte caso ela não subisse ao apartamento e mostrasse o cofre.

A vítima contou na delegacia que, no trajeto até o imóvel, um dos assaltantes teria dito para ela ficar calma. "Eu sou casado com uma 'japonesa' e tenho três filhos. Não vai acontecer nada", disse o assaltante à vítima.

Depois de fazer uma varredura no apartamento, a dupla desceu para o vizinho e lá levou dólares de um engenheiro de 58 anos, que foi agredido e levou um corte na orelha.

Mais violência. A vítima mais espancada foi um sargento do Exército, de 44 anos, que trabalhava armado para um juiz de 42. O sargento omitiu ter uma pistola e foi chutado até cair no chão da garagem. Ladrões ameaçaram matá-lo, caso fosse PM.

"As pessoas estão com medo, ninguém quer falar", afirmou um funcionário do condomínio.

O caso foi registrado no 6.º Distrito Policial (Cambuci) e será investigado no Deic.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.