Bando chega de lancha a Ilhabela e faz arrastão

Loja de roupas de surfe e butique foram arrombadas e assaltadas; na fuga, ladrões usaram a embarcação, mas dois foram presos

Reginaldo Pupo, O Estado de S.Paulo

18 Março 2011 | 00h00

Ao menos sete homens armados fizeram um arrastão no centro de Ilhabela, litoral norte de São Paulo, na madrugada de ontem. Os criminosos chegaram de lancha, invadiram duas lojas, roubaram roupas e objetos como relógios e óculos de grife. As câmeras de monitoramento da prefeitura flagraram parte da ação. As imagens já estão com a polícia. Dois acusados foram presos.

Eram 4h15 quando os assaltantes chegaram, destruíram a vitrine de uma loja de roupas de surfe e levaram cerca de 300 peças, entre bermudas e camisetas, segundo levantamento preliminar. Em seguida, arrombaram o Free Port Café, onde também funciona uma butique de luxo, e roubaram cerca de 300 óculos e 180 relógios, segundo o proprietário do estabelecimento, José Roberto Pacheco. Na fuga, dois criminosos foram presos. Os outros escaparam de lancha, que estava em uma praia nas redondezas.

É a quinta vez que o Free Port é assaltado. A última, em outubro de 2010, ocorreu da mesma forma: os bandidos chegaram e fugiram de lancha. À época, eles também assaltaram a mesma loja de roupas de surfe. Cinco homens chegaram a ser presos dias depois no Guarujá, Baixada Santista. Eles teriam sido soltos na semana passada, mas a informação não foi confirmada.

A delegada titular de Ilhabela, Renata do Carmo Lourenço, disse que a polícia está investigando se o arrastão de ontem tem ligação com o registrado em outubro. "Há fortes indícios de que se trata da mesma quadrilha. A ação é idêntica."

A polícia não divulgou os nomes dos suspeitos, pois está em busca de testemunhas. Segundo a delegada, pedestres teriam sido abordados pelos criminosos. De acordo com o comandante da PM de Ilhabela, Daniel Lemes Garcia, os suspeitos detidos seriam de Caraguatatuba. Ele disse que vai se reunir com os comerciantes do centro para levantar informações e intensificar o patrulhamento no local.

Insegurança. Os moradores da cidade estão apreensivos com mais um assalto. Agências bancárias já foram alvo de ladrões que agiram da mesma forma, chegando e fugindo de lancha. Segundo o presidente do Conselho Municipal de Segurança de Ilhabela, Onofre Sampaio Junior, nos últimos dois anos, a entidade pede à Secretaria de Segurança o aumento no efetivo das Polícias Civil e Militar. "A polícia faz o que pode, mas é necessário que o Estado olhe para os problemas de Ilhabela, um município diferenciado", frisa.

"Pago o imposto mais caro do mundo e não tenho segurança", afirmou José Pacheco, dono do café assaltado.

Restaurantes. A Polícia Civil prendeu ontem dois suspeitos de participar de assaltos a restaurantes da Vila Madalena e de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo.

A polícia investiga crimes semelhantes em outros bairros. / COLABOROU PLÍNIO DELPHINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.