Bandidos queimam cinco ônibus em 24 horas na capital

Incêndios aumentam a suspeita de uma ação comandada por criminosos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC)

Gio Mendes, Pedro Rocha, William Cardoso e Ricardo Valota,

26 de junho de 2012 | 23h14

SÃO PAULO - Cinco ônibus foram queimados na capital nas últimas 24 horas. Dois atentados a coletivo ocorreram na noite desta terça, 26, na região do Tremembé, zona norte, na Avenida Antonelo da Messina e na Rua Alfazema. Outro foi registrado na Rua Brigadeiro Amilcar Veloso, no Sacomã, por volta da meia-noite. Nenhum dos ataques deixou vítimas. Os incêndios de ônibus aumentam a suspeita de uma ação comandada por criminosos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC). Já são ao menos oito casos desde o fim de semana.

 

Nos últimos 14 dias, seis policiais militares morreram durante a folga e bases da PM foram atacadas. Já são 40 PMs mortos neste ano. Em 2011, foram assassinados 47, sete em serviço. O governo estadual ainda não sabe se são fatos isolados ou ataques relacionados ao crime organizado.

 

No Tremembé, o primeiro coletivo, da viação Sambaíba, foi incendiado às 20h55, na altura do número 338 da Avenida Antonelo da Messina. Dois homens encapuzados, um deles armado, renderam o motorista e mandaram que os passageiros descessem. O condutor foi obrigado a atravessar o veículo na via. Os bandidos usaram álcool para atear fogo.

 

O segundo ônibus, da mesma empresa, foi atacado às 22h. A viação havia emitido um toque de recolher após o primeiro crime, ordenando que os ônibus voltassem para as garagens. O veículo da linha Santana/Vila Zilda estava no ponto final quando cinco homens, segundo o motorista aparentando serem menores de idade, mandaram o cobrador e motorista descerem e atearam fogo no automóvel. No Sacomã, dois homens em uma moto azul jogaram um coquetel molotov no coletivo, às 23h.

 

Bloqueios. Quatro homens, um ocupando uma moto e três um Chevrolet Prisma, ambos roubados, foram detidos, no final da noite desta terça-feira na Vila Zatt, região de Pirituba, na zona norte da capital paulista, por policiais militares da 3ª Companhia do 49º Batalhão, auxiliados por policiais das Rondas Ostensivas com Auxílio de Motocicleta (Rocam).

 

Segundo a PM, o Prisma "dublê", assim chamado pois estava com placas iguais a outro veículo de mesma marca, modelo e cor, foi perseguido pelas motos da PM após furar um bloqueio que ocorria próximo à Rua Miguel de Castro. Em razão dos ataques a ônibus, a PM iniciou, na noite desta terça, bloqueios de no máximo 20 minutos pela região. Pelo menos uma arma foi apreendida com os quatro suspeitos detidos. Todos foram encaminhados para o 33º Distrito Policial, de Pirituba.

 

Protesto. Usuários de ônibus das linhas operadas pela Viação Sambaíba, realizaram um protesto, no início da madrugada desta quarta-feira, 27, bloqueando a Avenida Cruzeiro do Sul junto à Rua Gabriel Piza, ao lado do Terminal de Ônibus de Santana, na zona norte da capital paulista.

 

Dezenas de pessoas, cansadas de esperar pelos coletivos - retirados de circulação pela empresa em razão dos ataques na região do Tremembé, invadiram a avenida, mas foram retirados do local com a chegada de policiais militares. O jornalista Clélcio Miranda era um dos manifestantes, "nós invadimos alguns ônibus para tentar forçar eles a saírem. Como não adiantou, sentamos e bloqueamos a rua para demonstrar nossa insatisfação", contou Miranda.

 

Liliane Aparecida, de 26 anos, disse que não tinha como voltar para casa, no Jardim Felicidade, na zona oeste de São Paulo. "Estou desde as 5h da manhã fora de casa. Eles não têm ônibus para levar trabalhador para casa", reclamou Aparecida. Ela disse ainda que a PM intimidou com ameaças verbais aqueles que protestavam. O capitão Paganoto, do 9º Batalhão da PM, afirmou que a polícia apenas fez o trabalho de desobstruir a via.

  Texto atualizado às 6h30 para acréscimo de informação

Tudo o que sabemos sobre:
ônibus incendiadoataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.