Bandidos jogam gasolina e põem fogo em perito da Polícia Civil

Criminosos chamaram vítima de ‘verme’ depois de descobrirem que ele é policial; trio fugiu sem levar nada e está foragido

13 de agosto de 2012 | 08h31

Texto atualizado às 22h11.

SÃO PAULO - O perito criminal Ricardo Averbach Rebouças, de 31 anos, foi feito refém por três bandidos e teve o corpo queimado na noite de domingo, 11, quando voltava com seu carro da casa da namorada, no Campo Belo, na zona sul de São Paulo. A polícia investiga qual foi a motivação dos criminosos, que não levaram nada da vítima e permaneciam foragidos até a noite desta segunda-feira, 13. Rebouças teve queimaduras nas costas, braços e pernas e seguia internado no Hospital São Paulo.

Ele dirigia seu Focus pela Avenida Washington Luís, quando foi abordado por dois homens em uma moto. Eles fecharam o carro e obrigaram Rebouças a entrar em uma rua lateral. Na Rua Capiberibe, no Jardim Aeroporto, bateram na janela com a arma e mandaram Rebouças parar. Pegaram sua carteira, no bolso da calça, e viram que faz parte da Polícia Científica. Segundo a vítima, depois disso os bandidos gritaram "verme, você vai morrer".

Um terceiro criminoso apareceu com uma garrafa cheia de gasolina e eles então jogaram o combustível no corpo do perito, que foi colocado no banco traseiro do Focus. Em seguida, atearam fogo no carro e fugiram.

Rebouças conseguiu sair do carro e, com o corpo em chamas, foi socorrido por moradores da rua, que disseram ter ouvido duas grandes explosões. "Ele estava se debatendo muito e coloquei a cabeça dele no meu colo. Ele disse que era Dia dos Pais e ainda não tinha visto a filha", disse uma dona de casa de 47 anos. O perito tem uma filha de 1 ano e 2 meses, que vive com a ex-mulher.

Ouvido pela polícia, Rebouças afirmou que, em momento algum, os bandidos disseram que pretendiam assaltá-lo. O caso foi registrado no 27.º DP (Campo Belo), mas será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e terá ainda o acompanhamento da Corregedoria da Polícia Civil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.