Bandidos invadem novamente casarão de luxo dos Maksoud nos Jardins

Local já havia sido invadido na manhã do Dia das Mães em 2009 por uma quadrilha de falsos entregadores de flores

Pedro da Rocha e Ricardo Valota, do estadão.com.br,

05 de agosto de 2011 | 02h06

SÃO PAULO - O casarão de luxo pertencente Ilde Maksoud, de 82 anos - ex-mulher do empresário Henry Maksoud -, foi, na noite de quinta-feira, 4, novamente invadido por criminosos. Localizado na Rua Estados Unidos, no Jardim América, região dos Jardins, zona sul de São Paulo, é o mesmo que foi assaltado na manhã do Dias das Mães de 2009, quando obras de Cândido Portinari e Tarsila do Amaral foram levadas por falso entregadores de flores.

 

Desta vez, 14 pessoas, entre elas novamente Ilde Maksoud, foram dominadas pelos criminosos quando participavam de um carteado. Por volta das 20h15, armados de canivetes, os bandidos pularam o muro e invadiram a casa. Um deles ficou do lado de fora, em frente ao imóvel, passando-se por segurança de rua. Os outros dois entraram no casarão e renderam a copeira, a cozinheira, a governanta e as 11 idosas.

 

Amarradas com fita plástica, as vítimas foram obrigadas a se deitar no chão enquanto assistiam aos criminosos recolher joias, dinheiro, celulares e outros objetos. Policiais militares da 1ª Companhia do 7º Batalhão foram acionados pelo verdadeiro segurança da rua, que ligou para o 190 ao desconfiar do desconhecido que estava parado em frente ao casarão. O vigia particular chegava para realizar a troca de turno quando viu o suspeito e perguntou o que ele fazia no local.

 

"Sou o segurança da rua", disse o criminoso, que resolveu fugir ao perceber que a mentira não havia colado. O bandido acabou preso minutos depois pela PM na Avenida Nove de Julho, próximo ao hipermercado Carrefour. O outro foi detido quando saía do casarão carregando uma maleta, com os objetos roubados das vítimas. O terceiro assaltante foi dominado ainda dentro do imóvel.

 

Manoel Messias Cordeiro Ribeiro, de 21 anos, Mauro Roberto de Chagas, 53, recém-saído da cadeia, e outro, ainda não identificado, pois não portava documentos, foram levados para o plantão do 78º Distrito Policial, dos Jardins, e autuados em flagrante por roubo. Todos os pertences das vítimas foram recuperados. Uma das idosas, segundo a polícia, chegou a passar mal, sofrendo uma crise respiratória.

 

Dia das Mães. Na manhã do dia 10 de maio de 2009, um Dia das Mães, um rapaz com um vaso de flores tocou a campainha do mesmo casarão.

 

A ação da quadrilha terminou no roubo milionário das obras de arte "O Cangaceiro" e "Retrato de Maria", de Cândido Portinari, e "Figura em Azul", de Tarsila do Amaral. Além delas, uma quarta obra de arte, "Crucificação de Jesus", de Orlando Teruz, um discípulo de Portinari, também teria sido levada.

Ilde, a nora Maria Paula e quatro funcionários foram mantidos reféns por cerca de uma hora.

 

Os bandidos reviraram toda a casa e ainda tentaram levar uma escultura de Victor Brecheret. Eles quebraram a base, mas não conseguiram roubá-la. A ação foi bem planejada. Às 9h, um furgão Fiorino (carro de fachada de uma floricultura) estacionou em frente da casa. Um rapaz desceu com as flores e tocou a campainha, atendida pelo porteiro José Candido da Silva, de 48 anos. "É uma entrega para a dona Ilde Maksoud", disse o assaltante.

 

O porteiro foi confirmar a entrega com a arrumadeira Maria Aparecida Nicoleti, de 48 anos, que teria respondido. Após liberar a entrada, Silva foi rendido pelo assaltante, que sacou uma pistola. Outros bandidos, também armados, entraram na casa. Renderam o caseiro e a cozinheira. Os três reféns foram imobilizados com algemas plásticas (lacres) e mantidos na cozinha, sob a vigilância de dois bandidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.