TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Bandidos fazem arrastão em condomínio no Morumbi

Eles alegaram ser policiais civis em operação para cumprir mandados judiciais e levaram joias, celulares e dinheiro de moradores

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2018 | 12h54

Um grupo de 15 bandidos fez um arrastão em um condomínio na região do Morumbi, zona sul da capital paulista, na tarde da última quinta-feira, 15. Eles alegaram ser policiais civis em operação para cumprir mandados judiciais. De acordo com a Secretaria Estadual de Segurança Pública, eles roubaram vários apartamentos e levaram joias, celulares e dinheiro de moradores.

Os ladrões ficaram dentro do edifício de oito andares, na Avenida José Galante, das 8h30 da manhã até pouco depois das 2 da tarde. O grupo havia clonado ou roubado um controle remoto e conseguiu entrar na garagem, segundo um funcionário do prédio disse ao Estado. Eles usavam roupas com símbolos da Polícia Civil e disseram estar ali para cumprir mandado de busca e apreensão. 

Pouco depois disso, eles agrediram o zelador e anunciaram o assalto. Os moradores e funcionários foram levados para uma lavanderia do condomínio e para o dormitório do zelador. Por causa do feriado prolongado, vários proprietários estavam fora e os apartamentos estavam vazios ou só com empregados. 

Parte dos criminosos, conforme relatos das vítimas à Polícia Civil, carregava armas longas e radiocomunicadores. Ao saírem do prédio, eles pediram aos reféns que esperassem 20 minutos antes de sair da lavanderia e do dormitório, relatou o funcionário ao Estado. Após saberem do crime, muitos moradores têm voltado de viagem. 

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), dois veículos usados pelos assaltantes para escapar já foram identificados pelos investigadores: um Fiat Toro cinza e um Chevrolet Cruze branco. Do lado de fora, segundo o funcionário, também havia uma moto dando cobertura ao bando. Não há ainda informações sobre as identidades dos suspeitos. 

A ocorrência foi registrada como roubo a condomínio, associação criminosa e porte ilegal de armas de fogo de uso restrito. O caso será investigado pelo 89.° DP (Portal do Morumbi). Para Celso Cavallini, presidente do Conselho Comunitário de Segurança do Portal do Morumbi, crimes do tipo têm sido cada vez mais frequentes na região.  "Mês sim, mês não, a região registra algum tipo de ocorrência do tipo."

Estatísticas. Entre janeiro e setembro, a região do 89.° DP registrou 981 roubos (sem contar os roubos de veículo). O número é 5,3% menor do que o total registrado no mesmo período do ano passado: 1044 casos. 

Já em toda a cidade de São Paulo, foram 99.011 roubos nos nove primeiros meses deste ano. No mesmo período de 2017, houve 1117.115 ocorrências dessa natureza – uma diminuição de 15,5%.

Alerta. O especialista em segurança pública e privada Jorge Lordello afirma que o assalto ocorreu porque o prédio deve ter um sistema de segurança pouco preparado. Para o especialista, muitos condomínios não investem em segurança  de qualidade.

"É necessário ter guarita blindada e  o computador que armazena  as imagens deve ficar em uma sala fechada de difícil acesso", destacou Lordello. O modo de ação dos bandidos, segundo ele, mostra também a necessidade de um sistema de controle remoto mais eficiente. /COLABOROU MARCELO LIMA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.