Banda surpreende com pequeno público

Imagine o cantor do Angra se juntando a um dos garotos do MGMT. Ou Rob Halford criando uma dupla com o cara do Prodigy, Liam Howlett. É mais ou menos o resultado do Ghostland Observatory, uma das bandas mais interessantes do SWU que quase ninguém viu no palco New Stage. Eles tocaram quando cerca de 90% do público estava fazendo coro para Snoop Dogg e seu megahit Beautiful. Havia pouco mais de 200 pessoas no local.

/ J.B., L.N. e R.N., O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2011 | 03h01

O metal melódico está no DNA do vocal de Aaron Behrens, frontman da dupla, que encaixa como uma luva na batida sintética de Thomas Turner, nos teclados e programação (vestido como um dos heróis de Watchmen, com capa de HQ, faixa na cabeça e maiô de Superman). Eles se projetam ironicamente sobre um legado glitter que vem lá de David Bowie, mas que extravasa e passa pelo Daft Punk e pelo som já cristalizado de DJs como Laurent Garnier.

O palco New Stage também recebeu os brasileiros residentes nos Estados Unidos da banda Cruz. O grupo, com três anos de estrada, tocou sob sol escaldante e para um público ainda pequeno, que chegava ao espaço em Paulínia. Já sob ameaça de chuva, André Frateschi e Miranda Kassin desfilaram uma série de covers. No início da tarde, o paulistano Emicida fez show com mais de 15 músicas, como Rua Augusta e Só Mais Uma Noite.

Para mais de 50 mil pessoas, no fim da tarde, Marcelo D2 deu show durante uma hora. Um helicóptero da PM sobrevoava de perto o palco, por questão de segurança, e o público fez gestos obscenos para o alto. D2 não se intimidou, cantando temas de sua ex-banda, Planet Hemp. Honrou ainda seu repertório solo e o tributo a Bezerra da Silva.

Com céu anunciando chuva, o coletivo de rap Odd Future também subiu ao palco e levou sua plateia ao delírio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.