Banda da PM anima tardes em praça

Grupo, com 18 músicos, toca toda sexta-feira perto de quartel e tem até seguidores fiéis

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2010 | 00h00

Na Praça Coronel Fernando Prestes, em uma das saídas da Estação Tiradentes do Metrô, a cena até seria bucólica se não fosse em São Paulo: escola, quartel, a sombra das árvores nos bancos de cimento, carrinho de pipoca, bandinha da cidade se preparando para tocar. Eis que surge um grito inesperado na multidão: "Eles vão para a rua todo dia de revólver na cintura. Não poupem as palmas. Bravo!" E a música começa a tocar.

O chamado é da artista plástica Pola Steiman, 76 anos, uma groupie inusitada de uma banda idem: o Corpo Musical da Polícia Militar do Estado de São Paulo, que se apresenta toda sexta-feira, às 12h30. A banda tem cerca de 18 músicos - e por músicos leia-se também soldados, cabos, sargentos, tenentes e coronéis que se apresentam com a farda azul-clara da PM e têm um público fiel formado pelos vizinhos do bairro (como dona Pola), estudantes da faculdade ao lado e mendigos em geral.

Apesar de ser uma formação típica de uma big band de jazz - saxofones, percussão, conjuntos de cordas e metais - o repertório da PM não é restrito a esse gênero. Vai de Louis Armstrong (What a Wonderful World) a Skank (Vou Levar). Não raro, a banda tem de ceder o microfone para dona Pola, que sobe na calçada-palco e pede animação da plateia. "Eu sou uma espécie de... Como se diz, animadora de auditório?", pergunta-se.

Dupla jornada. "Eu gosto de ser músico e PM ao mesmo tempo, até porque não daria para sobreviver só como músico, né?", conta o subtenente Fonseca, policial há duas década e trompetista há três. O sargento Daniel acumula as funções de arranjador, tecladista e cantor de ocasião. Tim Maia e Ed Motta são os "covers" que faz com mais animação.

Durante a apresentação, o sargento distribui brindes para os transeuntes. Sobram canetas e distintivos da PM para todo mundo. O show dura apenas uma hora - ou até alguém da plateia pedir bis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.