Banco grava imagem de suspeito de matar casal em Piracicaba

Homem fez dois saques da conta dos usineiros, que foram levados de casa no dia 15 e achados mortos em um canavial

Tatiana Fávaro, O Estado de S.Paulo

03 Março 2011 | 00h00

A Polícia Civil de Piracicaba, no interior de São Paulo, divulgou ontem imagens de um dos suspeitos de ter matado Cláudio Meneghetti, de 56 anos, e Lilian Simioni, de 57 anos. O casal de empresários do setor sucroalcooleiro foi encontrado morto na manhã de sábado, após 11 dias desaparecido.

As imagens foram registradas por câmeras do circuito interno de segurança de uma agência bancária de Piracicaba, onde foram feitos dois saques de contas do casal. O homem aparece junto aos caixas eletrônicos na tarde do dia 15, data em que Cláudio e Lilian foram levados por ladrões que invadiram sua casa, no bairro Terras do Engenho. Os criminosos mataram na residência a empregada doméstica Suzana Aparecida Parente Felippe, de 57 anos. O bando levou uma TV e uma caminhonete.

O mesmo homem aparece novamente na agência bancária na manhã do dia 16, usando um boné, para realizar um segundo saque.

Na quinta-feira, a polícia fez um dos retratos falados a partir dessas imagens, reveladas apenas ontem para não atrapalhar as investigações. O retrato falado do segundo suspeito foi feito a partir de relatos de testemunhas.

Violência. Os corpos de Cláudio e Lilian foram encontrados por um trabalhador rural em um canavial. Ambos estavam amordaçados, com os pés e mãos amarrados com cordas e fios de telefone. A Polícia Civil acredita que o casal estava morto havia dias.

A família reconheceu os dois por meio das roupas. Laudo do Instituto Médico-Legal (IML) confirmou a identificação do casal e a morte de Lilian por asfixia e a de Cláudio por asfixia ou lesões provocadas por agressão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.