João Doria/Instagram
João Doria/Instagram

Banco chinês oferece crédito para concessão do bilhete único

Auxílio poderá ser via empréstimo direto ou outros serviços; reconhecido por brasileiros, prefeito foi chamado de 'futuro presidente'

Bruno Ribeiro*, Enviado especial de O Estado de S. Paulo à China

24 Julho 2017 | 10h54

PEQUIM - O China Development Bank (CDB), banco chinês equivalente ao Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), comprometeu-se a oferecer linhas de crédito a empresas chinesas interessadas em fornecer tecnologias para a gestão do bilhete único de São Paulo. O crédito poderia vir na forma de empréstimos diretos ou outros serviços financeiros.

"Vamos utilizar várias maneiras, porque o CDB não somente poderia fazer empréstimos, poderia prestar serviço de investimento, leasing e também emissão de debêntures", disse o chefe da representação do banco no Brasil, Song Lei, por meio de uma tradutora. 

O anúncio foi feito no saguão da sede do banco, em Pequim, após reunião com o prefeito da capital paulista, João Doria (PSDB). 

"Para nós, temos mais interesse na área de infraestrutura, como transporte urbano. E, como o senhor prefeito (Doria) mencionou, com projeto de cartão de acesso ao transporte, nós temos interesse. Nessa área, a tecnologia agora, na China, está muito madura. Eu, com meu cartão de acesso ao transporte, posso pagar o transporte através do meu celular", afirmou o executivo chinês.

Uma nova reunião entre o executivo e representantes da Prefeitura está marcada para agosto, quando o prefeito voltará à capital paulista.

O CDB também se comprometeu com o prefeito a buscar empresários chineses interessados em participar do processo de concessão do bilhete único.

"Por enquanto, ainda não recebi nenhuma informação de empresas chinesas, mas depois desse encontro vamos entrar em contato diretamente com elas para discutir esses projetos, e acredito que o interesse delas não será menor do que o nosso", informou. 

A reunião no CDB foi a segunda em um dia de quatro reuniões feitas pelo prefeito e seu secretário de Relações Internacionais, Julio Serson. A primeira havia sido no Bank of China. Porta-vozes do banco que falaram com a imprensa brasileira classificaram como "interessantes" os projetos do prefeito, mas destacaram o interesse do banco em projetos do agronegócio e de energia - que Doria não trazia na bagagem.

Eles também ressaltaram que a crise político-econômica pela qual passa o Brasil "de certa maneira, vai afetar a confiança" do empresariado chinês, mas que o setor "costuma olhar o longo prazo" ao definir investimentos. 

Presidente

Doria cruzou a capital Pequim em um carro com bandeiras do Brasil na parte frontal e, em seu paletó, botons com bandeira dos dois países. Ele foi reconhecido por brasileiros nos voos até a China e na capital do país, que o chamaram de "futuro presidente".

Comentário similar chegou a ser feito por representantes do CDB durante a reunião com a equipe do prefeito. A pedido de sua equipe, que produzia conteúdo para as redes sociais do prefeito, turistas chineses fizeram gesto da vitória com a mão e gritaram "acelela" ("acelera"), slogan de Doria, no alto da Muralha da China, a uma hora do centro de Pequim. 

Questionado se sua visita era também uma ação para cacifá-lo à presidência, uma vez que teria apoio do mercado internacional, respondeu que o objetivo não era esse.

"Fico sempre muito feliz com manifestações carinhosas das pessoas, mas nossa meta nas viagens é buscar novos investimentos para São Paulo." E completou: "Novos investimentos para o Brasil. Mas concentradamente em São Paulo". 

*O REPÓRTER VIAJOU A CONVITE DO GOVERNO CHINÊS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.