Bala que matou atriz em Campinas saiu de arma de PM, indica laudo

Vítima foi atingida por bala perdida quando passava de carro em frente a um cartório, onde estaria acontecendo um tiroteio entre um assaltante e um policial

estadão.com.br,

29 Outubro 2010 | 18h43

CAMPINAS - A Polícia Civil de Campinas informou nesta sexta-feira, 29, que o tiro que matou a atriz Andréia Cristina Pereira na sexta-feira passada saiu da arma de um policial militar.

 

Andréia foi atingida por uma bala perdida quando estava no banco do passageiro do carro de um conhecido e passava em frente a um cartório, no bairro nobre Nova Campinas. A atriz tinha 35 anos e era integrante do tradicional Grupo de Teatro Téspis, fundado em 1974.

 

A conclusão da Polícia Civil está baseada no resultado do laudo do Instituto de Criminalística de Campinas. A polícia investiga a suposta troca de tiros entre um suspeito de assalto e o policial militar Rogério Felipe, que teria feito os disparos para se defender.

 

Imagens divulgadas pela polícia, de câmeras de segurança instaladas no cartório, mostram quando o suspeito aborda o policial militar e uma mulher. O PM aparece usando a arma. Não há imagem do suspeito atirando. A polícia ainda não localizou o assaltante. Rogério Felipe não foi preso. A Corregedoria da Polícia Militar vai investigar se houve excesso por parte do policial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.