José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Bairros da zona sul de São Paulo ficam 28 horas sem luz

Eletropaulo culpou queda de 60 árvores e galhos; empresas chegaram a dispensar funcionários e comerciantes reclamaram do prejuízo

Laura Maia de Castro, O Estado de S. Paulo

14 Fevereiro 2014 | 22h51

SÃO PAULO - Ao menos cinco bairros da zona sul de São Paulo foram afetados pela falta de energia durante toda a sexta-feira, 14. Na Vila Nova Conceição, moradores relataram que estavam há mais de 28 horas sem luz até as 20h desta sexta. Segundo a Eletropaulo, o motivo da falta de energia foi a queda de 60 árvores e galhos que danificaram a fiação durante a chuva da noite de quinta. Empresas chegaram a dispensar funcionários e comerciantes reclamaram do prejuízo.

Após 24 horas de interrupção, a energia voltou à casa de Sergio Saraiva Ridel, de 70 anos. "Durou apenas 3 minutos, depois disso já ficamos sem luz novamente", reclamou o morador da Rua Professor Filadelfo Azevedo, na Vila Nova Conceição, na zona sul.

O proprietário de uma hamburgueria na Rua Tutoia, no Paraíso, relatava os prejuízos com as carnes que estragaram enquanto mostrava grandes potes de sorvete derretidos. "Não tenho ideia do prejuízo ainda, só sei que foi grande", disse Fabio Costa Avila, de 38 anos. Sem previsão de quando a luz voltaria, Avila resolveu alugar um gerador, que custou R$1.600 por oito horas de uso. "Uma hora depois que instalamos o equipamento, a luz voltou. Era perto de 15h30." O movimento no estabelecimento caiu 80%, já que empresas da região dispensaram seus funcionários. Uma delas foi a empresa de tecnologia IBM, também na Tutoia. A assessoria de imprensa da companhia disse que não houve expediente.

Os transtornos começaram na noite de quinta, durante a chuva. Na Paróquia Santíssimo Sacramento, também no Paraíso, a missa das 18h30 foi à luz de velas. Nesta sexta, a coordenadora do bazar beneficente da paróquia disse que quase não houve vendas. "A luz voltou quase na hora em que o bazar encerra", contou Elizabeth Ishikawa, de 64 anos.

A reportagem presenciou ao menos quatro árvores sendo retiradas pelo Corpo de Bombeiros. Às 17h, na Rua Morgado de Mateus, na Vila Mariana, bombeiros ainda trabalham na retirada de uma árvore que caiu durante a chuva. Faltou energia por cerca de 8 horas na região. O Sesc Vila Mariana, por exemplo, na Rua Pelotas, ficou fechado o dia todo.

Os comerciantes da região reclamaram dos prejuízos e relataram a recorrência desse tipo de situação. Segundo a proprietária de um salão de beleza, o bairro já havia ficado sem energia recentemente. "Só nesse mês foram duas vezes. Nesta sexta, fechei às 16h30 e, na outra vez, tive de desmarcar a agenda lotada de clientes na sexta e no sábado", disse Raquel Oliveira, de 31 anos. Ela estimou um prejuízo de cerca de R$2 mil na primeira queda de energia de fevereiro deste ano.

Justificativa. Em nota, a Eletropaulo informou que registrou cerca de 60 ocorrências envolvendo queda de árvores de grande porte e galhos sobre a fiação elétrica na noite de quinta. Segundo a distribuidora, foram afetadas ruas dos bairros de Vila Mariana, Paraíso, Moema e Ibirapuera, na zona sul. A reportagem também teve relatos de falta de energia na Vila Nova Conceição, na zona sul, e em Pinheiros, na zona oeste.

Os moradores alegam que a poda de algumas árvores poderia ter evitado os problemas. Segundo a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, o atendimento dos pedidos de poda é realizado conforme o cronograma de vistorias.

A Prefeitura afirmou que somente a subprefeitura de cada região está autorizada a realizar a poda ou a remoção de árvores e que a solicitação deve ser feita pelo telefone 156 ou pelo site do Serviço de Atendimento ao Cidadão. Em situações extremas, como árvores prestes a cair, é preciso acionar o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil.

Mais conteúdo sobre:
zona sulchuvasluzapagão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.