Bairro da zona oeste briga por guaritas

Para evitar roubos a residências, a associação de moradores do Parque dos Príncipes, na zona oeste, quer manter três guaritas - instaladas por conta própria - em pontos de acesso ao bairro. Após obter liminar que impede a Prefeitura de removê-las, a entidade entregou ontem à Subprefeitura do Butantã um abaixo-assinado solicitando a manutenção das bases.

Elvis Pereira, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2011 | 00h00

Isso porque, no dia 23, por ordem da Justiça, a subprefeitura derrubou parcialmente uma das guaritas, na Avenida Politécnica, além de canteiros que dificultavam o acesso. A operação, porém, teve de ser interrompida por causa da liminar, expedida na noite anterior. "Segundo manifestação da Procuradoria, era para intervirmos, ali é área pública", explicou o subprefeito Daniel Rodrigueiro.

Segundo o presidente da associação, Reinaldo França, com a demolição parcial da guarita, cinco imóveis da região foram assaltados. "Essas guaritas prestam um serviço", justifica. A Polícia Militar, que confirmou três roubos, informou que não é possível relacionar a desativação aos crimes, já que eles ocorreram em pontos distantes.

O residencial contém 1,2 mil imóveis - 75% em São Paulo e, o restante, em Osasco. Na capital, há três entradas com guaritas. A da cidade vizinha também tem acesso restrito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.