Bahia prende mais 9 PMs por causa de greve

Detenções ocorreram em Ilhéus, Feira de Santana e Jequié; Estado ainda investiga participação de agentes em homicídios

TIAGO DÉCIMO / SALVADOR, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2012 | 03h02

Nove policiais militares da Bahia foram presos ontem, acusados de motim (artigo 149 do Código Penal Militar) durante a paralisação da PM no Estado. Oito dos detidos tiveram a prisão decretada pelo juiz da Vara da Justiça Militar da Bahia, Paulo Roberto de Oliveira. Seis foram presos em Ilhéus, no litoral sul do Estado, e dois em Feira de Santana.

Já o soldado Gilvan Souza Santana, diretor da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar (APPM) em Jequié, era um dos PMs considerados foragidos desde o dia 2, acusado de ser um dos 12 líderes do movimento. Ele foi detido na cidade em que atua.

Com a prisão, foram cumpridos na Bahia, até a noite de ontem, cinco dos 12 mandados expedidos pela juíza Janete Fadul de Oliveira nos primeiros dias da paralisação.

Além de Santana, estão detidos o ex-PM Marco Prisco Caldas Machado, presidente da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra) e apontado como principal articulador da greve; o também ex-PM Antônio Paulo Angelini, preso com Prisco no dia 9, o soldado Alvin dos Santos Silva, detido no dia 5, e o sargento Elias Alves de Santana, preso no dia 7.

Homicídios. A polícia também investiga a participação de grevistas nos homicídios que ocorreram no Estado em 12 dias de paralisação. Quatro PMs, por exemplo, foram reconhecidos por testemunhas e acusados de participar da chacina que deixou cinco moradores de rua mortos no bairro da Boca do Rio, na madrugada do dia 3. Dois deles já estão presos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.