Avião que caiu em Goiás foi trazido dos EUA e era 'clandestino', segundo a Anac

O avião Cessna-172, que caiu anteontem em Acreúna, no interior de Goiás, era clandestino. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o prefixo N1009F na fuselagem da aeronave oficialmente "não consta" do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB). A Gerência Técnica do RAB é o único órgão público que efetua o registro de aeronaves, e emite certificados de matrícula e de aeronavegabilidade de aeronaves civis, no País.

O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2012 | 03h07

O pai do piloto Gary Paulo Costa e Silva disse que a aeronave foi trazida pelo filho dos Estados Unidos. "Ele comprou lá e veio voando, de Miami até Pontalina, onde morava", garante Aniceto de Oliveira. Veio com peso (carga), e ele tinha mais de mil horas de voo nesse avião."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.