Avenida onde ficavam os prédios está limpa e será reaberta hoje

A ruazinha de paralelepípedos que ficou coberta por uma montanha de entulho depois do desabamento dos três prédios está pronta para a passagem de carros e pedestres. A prefeitura do Rio concluiu ontem a limpeza da Avenida Treze de Maio, limitando os resquícios da tragédia aos tapumes de 2 metros de altura que cercam o terreno onde estavam os edifícios que ruíram.

RIO, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2012 | 03h02

Homens da Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb) passaram boa parte da manhã de ontem removendo a terra e a poeira da área. "O principal objetivo da prefeitura é devolver a normalidade a essa região", disse o secretário municipal de Conservação, Carlos Roberto Osório. Com jatos de água, lavaram fachadas e vidraças dos prédios do outro lado da rua. As calçadas de pedra portuguesa perderam a cor marrom da lama que havia se formado com a chuva. Até os semáforos ficaram limpos e as lâmpadas dos postes foram trocadas.

A pequena avenida, com 170 metros de extensão, será aberta ao trânsito e à passagem de pedestres às 6h da manhã de hoje. Apenas o estacionamento de veículos pesados estará proibido. Os prédios comerciais que estavam fechados desde a noite de quarta-feira poderão funcionar normalmente - exceto o Edifício Capital, vizinho dos escombros, que permanece interditado.

Buscas. O trabalho do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil ganhou ritmo reduzido. Os locais que ainda podem esconder corpos são apenas os fundos e o vão de escadas do Edifício Liberdade. No depósito na Baixada Fluminense onde está o entulho retirado e onde foram encontrados restos mortais, máquinas reviram os montes de escombros em busca de vítimas. Cães farejadores também são usados. / B.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.