Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Avenida Escola Politécnica ganha ciclovia

Estrutura ocupa canteiro central da via e liga o entroncamento da Corifeu à Portaria 2 da USP, no Butantã

O Estado de S. Paulo

20 de junho de 2014 | 20h00

SÃO PAULO - Uma ciclovia de 1,7 km de extensão foi inaugurada nesta sexta-feira, 20, pela Prefeitura na Avenida Escola Politécnica, zona oeste da capital paulista. A estrutura ocupa o canteiro central da via e liga o entroncamento da Avenida Corifeu de Azevedo Marques à Portaria 2 da Universidade de São Paulo (USP), no Butantã.

O passeio, por ficar entre as duas pistas de rolamento dos veículos, difere da nova concepção de ciclovias que a gestão Fernando Haddad (PT) começará a adotar. A partir de agora, esses mecanismos somente serão construídos no próprio asfalto da rua ou avenida por onde a via de bikes passar, preferencialmente à esquerda.

Com isso, vagas de estacionamento de carros e motos, incluindo as de Zona Azul, necessariamente terão de ser suprimidas. Em um evento no início do mês, durante a reunião do Conselho Municipal de Transportes e Trânsito (CMTT), o secretário dos Transportes, Jilmar Tatto, calculou que até 40 mil vagas deixarão de existir para dar lugar a 400 km de ciclovias que a Prefeitura estipulou criar até o fim do ano que vem.

Nesta sexta-feira, Tatto afirmou que pretende fazer São Paulo se tornar uma das cidades do continente americano com a maior quantidade de ciclovias disponíveis para a população. Atualmente, o Município tem 68,5 km de estrutura cicloviária, quantidade irrisória perto do Rio de Janeiro, por exemplo, que apresenta 130 km. Nova York, por sua vez, tem 675 km.

O secretário disse ainda que espera mudanças de paradigma quando esse sistema de ciclovias estiver pronto. “Na medida em que você tem uma infraestrutura cicloviária, as próprias empresas vão começar a incentivar os empregados a ir para o trabalho de bicicletas. É um movimento de mudança de cultura e de consciência ambiental que a cidade estava precisando.” Serão desembolsados cerca de R$ 80 milhões para a construção dos 400 km de ciclovias até o fim do ano que vem. Parte dos recursos virá do Fundo Especial de Meio Ambiente (Fema), controlado pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. O repasse foi aprovado em reunião na semana passada.

Sinalização. Depois de participar de um passeio inaugurando oficialmente a ciclovia da Politécnica, Tatto ouviu críticas de cicloativistas que o acompanharam. Uma delas é que a via não tinha iluminação própria. Outra, de que a sinalização ainda privilegia os automóveis, principalmente nas interseções com as alças de retorno da avenida. As placas de “pare” estão voltadas para os ciclistas, e não para os motoristas.

O cicloativista Daniel Guth, da Ciclocidade, também defendeu que a ciclovia é estreita demais para o uso por bicicletas que transportam carga, muito comuns na capital paulista.

Tudo o que sabemos sobre:
Ciclovia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.