Avenida 23 de Maio deve ser a próxima

A proibição de motos na pista expressa da Marginal do Tietê é a primeira das três restrições a esses veículos previstas pela Secretaria Municipal de Transportes. Ainda há estudos para que elas não possam circular na Avenida 23 de Maio e na Marginal do Pinheiros - a primeira pode ocorrer a qualquer momento e a outra ainda não tem prazo.

Cenário: Renato Machado, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2010 | 00h00

A medida na Marginal do Tietê foi adotada na tentativa de reduzir a quantidade de acidentes fatais de motociclistas: de 2008 para 2009, o número saltou de 27 para 32. Mas muitos especialistas consideram que a pista expressa é justamente a mais segura para as motos, pois há poucas mudanças de faixas para chegar aos acessos de pontes e saídas.

Ao contrário das futuras proibições, a Marginal do Tietê não ganhou uma alternativa para os motociclistas. O ex-secretário Alexandre de Moraes havia informado que a restrição na Marginal do Pinheiros ocorreria somente após a criação de uma motofaixa que estava em estudo numa via paralela. Como contraponto a uma proibição na 23 de Maio, a Secretaria criou uma motofaixa na Rua Vergueiro.

Mesmo quando há uma alternativa, a proibição é um dos poucos mecanismos para retirar os motociclistas de uma via perigosa. Um exemplo prático de que apenas oferecer uma faixa exclusiva pode não ser suficiente para atingir o resultado acontece atualmente na motofaixa da Rua Vergueiro, que completa quase três meses de operação. A faixa foi criada para retirar as motos da Avenida 23 de Maio, onde há registro de muitos acidentes, inclusive com mortes. Mas, mesmo fazendo praticamente o mesmo trajeto e com segurança maior, os motociclistas continuam preferindo a 23. A reportagem do Estado contou na semana passada a quantidade de motos que utilizam as duas vias durante parte do pico da tarde - entre as 17h15 e as 18h15. Na faixa exclusiva, foram registradas 474 motos, enquanto 1.826 motos trafegaram na 23 de Maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.