Avanço do crack no interior afeta mais saúde e assistência

Segundo levantamento feito pela Confederação Nacional dos Municípios, as duas áreas foram as mais citadas

Ricardo Brandt, O Estado de S. Paulo

04 de junho de 2014 | 21h04

SÃO PAULO - As áreas de saúde e assistência social são as duas mais afetadas pelo avanço do crack no interior de São Paulo, segundo as prefeituras municipais. A droga, que surgiu no Brasil há 25 anos, é usada regularmente por cerca de 350 mil pessoas no Estado. Presente em pelo menos 94% das cidades paulistas, a droga virou um desafio para gestores, principalmente, dos municípios pequenos e médios, onde falta estrutura para atendimento dos dependentes, gente capacitada e ações integradas para enfrentar o problema.

“Hoje não temos estrutura técnica nem física para operar esse tratamento. Pelos números que temos, praticamente não existe estrutura e os municípios não têm condição de fazer o enfrentamento sozinhos”, afirma o presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Ziulkoski. “Das 645 cidades de São Paulo, 94% declararam ter o crack como droga presente e mais de 70% disseram enfrentar problemas. É um número bastante elevado.”

Em um questionário específico sobre quais áreas eram as mais prejudicadas, a saúde foi a área mais citada como afetada pelo problema do crack (28%), como era de se esperar. São os Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps-AD) a porta de entrada para os dependentes na rede pública de saúde. O serviço especializado gerido pelos municípios, mas custeado pela União via Sistema Único de Saúde (SUS), é um bom termômetro para se verificar os estragos gerados pelo avanço a droga.

“O problema é que o número de unidades é insuficiente e as equipes não são bem treinadas”, avalia o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, que estuda e trata usuários de droga na Universidade Federal de São Paulo.

A segunda área apontada como a que mais sofre reflexos da droga é a assistência social, com 26%, e a segurança foi apontada como terceiro item mais afetado, com 20%.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) defendeu ontem que a dependência química é uma doença que precisa de tratamento médico, em seu programa Conversa com o Governador.

“Nós combatemos o tráfico com ação firme da PM e investigação da Polícia Civil. De outro lado, com tratamento de saúde para aqueles que são doentes.” Reportagem especial multimídia do Estado mostrou o avanço da droga no interior paulista e os problemas gerados (clique aqui para ler).

Tudo o que sabemos sobre:
Crack

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.