Auxiliares de enfermagem são demitidos após atenderem idosa no chão

Auxiliares de instituição estadual da zona sul de SP deitaram mulher de 87 anos no piso para fazer lavagem intestinal

O Estado de S. Paulo

26 Março 2014 | 17h14

Atualizada às 22h11

SÃO PAULO - Três auxiliares de técnicos de enfermagem foram demitidos nesta quarta-feira, 26, do Hospital Geral de Pedreira, na zona sul da cidade de São Paulo, após o jornal Agora São Paulo revelar que uma mulher de 87 anos foi atendida no chão da unidade na última quinta-feira.

A demissão foi confirmada pela Secretaria da Saúde do Estado, que diz ter aberto uma sindicância para apurar o atendimento à paciente. Outros funcionários do hospital podem ser demitidos, caso seja comprovada omissão ou negligência.

Os conselhos regionais de Medicina e Enfermagem também vão analisar o episódio para tomar as providências cabíveis, segundo a secretaria. "A pasta considera inadmissível que pacientes sejam tratados de forma desumana e fora dos padrões estabelecidos para a assistência hospitalar", disse a secretaria, em nota.

Caso. A paciente Rita Alexandre da Silva, de 87 anos, esperou atendimento por quatro horas no hospital, de acordo com a reportagem. Ela foi levada pela filha à unidade com uma carta de internação após passar por um posto de saúde. Segundo a filha de Rita, Maria das Dores Alexandre, de 58 anos, a mãe apresentava muitas dores abdominais.

Após a longa espera, enfermeiros a encaminharam a uma sala sem camas e sem macas, onde a deitaram no chão. Ali, Rita passou por um procedimento de lavagem intestinal. A filha fotografou o atendimento com o celular e o classificou como "humilhante".

Ela levou a mãe para casa após saber que os exames só ficariam prontos à noite. No dia seguinte, foi com Rita a outro hospital da zona sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.