Automóveis ainda perdem para coletivos

Embora a velocidade média dos corredores seja baixíssima, a faixa exclusiva desses coletivos garante vantagem em relação aos carros. Foi o que o Estado comprovou na semana passada. A reportagem partiu do Terminal Santo Amaro, na zona sul, em direção ao Terminal Bandeira, no centro. Pelo corredor, demorou 59 minutos. De carro, 1 hora e 15 minutos. Mas as vantagens param por aí. Dentro dos coletivos, as reclamações de sempre: atrasos, lotação, falta de educação dos motoristas, desrespeito às leis de trânsito.

O Estado de S.Paulo

02 Abril 2012 | 03h03

"Pego o ônibus perto de um cruzamento. Quando o semáforo está prestes a fechar, mesmo com o ônibus vazio, o motorista acelera, não para no ponto e tenho de esperar o próximo. É uma pena. Afinal, os corredores são melhores do que andar de carro", diz a advogada Maria de Fátima Moreira, de 58 anos.

Os usuários não reclamam da qualidade dos veículos, a maior parte biarticulada e com poucos anos de uso. "Demoro duas horas de casa até o trabalho. O que incomoda é a lotação", afirma a atendente Mariana Kelly Silva Guimarães, de 21 anos.

A Prefeitura investiu neste ano e em 2011 pouco mais de R$ 18 milhões nos corredores, segundo a Secretaria Municipal de Planejamento. Para ampliar o metrô, o anúncio é repassar R$ 1 bilhão até o fim do ano. Os resultados da escolha são claros: na Avenida Inajar de Sousa, na zona norte, por exemplo, a faixa exclusiva ganhou asfalto há algumas semanas. Mas é asfalto comum, não os pisos de concreto mais adequados aos corredores - como é na Avenida Rebouças. O Corredor Santo Amaro-9 de Julho tem até buracos. / A.F. e B.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.