Autarquia pede que população denuncie abusos

O Serviço Funerário de São Paulo esclareceu, por meio de nota, que não tolera irregularidades por parte de seus servidores e pediu a colaboração dos paulistanos para combater comportamentos que fogem aos "padrões éticos" da autarquia. Segundo o órgão, existem diversos canais para denúncia (leia abaixo).

O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2012 | 03h01

Sobre os 75 servidores que respondem a processos administrativos atualmente, informou apenas que todas as denúncias são alvo de rigorosa apuração. E, sendo comprovada a má conduta dos servidores, eles são imediatamente punidos. O Serviço Funerário não divulgou, porém, mais informações sobre os casos em tramitação para não violar informações que têm sigilo garantido pela Constituição Federal e pela Legislação Municipal.

De acordo com a autarquia, todos os produtos e serviços colocados à disposição da população pela Prefeitura, assim como seus valores, estão publicados para consulta na página do órgão, que pode ser acessada pelo site da Prefeitura (www.prefeitura.sp.gov.br).

O Serviço Funerário informou ainda que os servidores são "terminantemente proibidos de ofertar serviços ou produtos" que não estejam contemplados na tabela de preços regular.

Negou também que realize ou indique serviço de tanatopraxia (leia ao lado) dentro da cidade. Segundo a autarquia, essa prática não pode ser realizada ou ofertada por seus funcionários, que ficam sujeitos a punições "a bem do serviço público".

Esclareceu ainda que não mantém servidores na porta ou dentro dos Institutos Médico-Legais (IMLs), vendendo serviços ligados a procedimentos funerários - uma prática que não é autorizada. Em relação aos nomes de servidores encaminhados pela reportagem, ó órgão não se manifestou. / C.H.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.