Ausência de secretário adia 1ª audiência sobre orçamento 2009

Seria discutida aplicação de R$ 5,9 bilhões na área da saúde no próximo ano,conforme plano da Prefeitura de SP

Carolina Freitas, Agência Estado

03 de novembro de 2008 | 18h40

A primeira audiência pública temática na Câmara dos Vereadores de São Paulo para discutir o orçamento da cidade, agendada para esta segunda-feira, 3, foi cancelada por causa da ausência do secretário municipal Januário Montone. O titular da pasta da Saúde informou ter sido avisado em cima da hora da reunião. Não alertou, no entanto, os vereadores sobre o problema de agenda. Representantes da sociedade civil e integrantes das comissões de Saúde e de Finanças e Orçamento ficaram à espera do secretário no Plenário. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde, o convite chegou ao órgão "apenas na tarde de sexta-feira, 31, quando a agenda (do secretário) já não permitia sua participação". O não comparecimento do secretário indignou os vereadores, que dizem não ter recebido qualquer justificativa pela ausência. Seria debatida na audiência a proposta da Prefeitura para aplicação de R$ 5,9 bilhões na saúde - a segunda maior fatia do orçamento, depois de Educação (R$ 7,1 bilhões). A audiência foi remarcada para o dia 18. Correligionário do prefeito Gilberto Kassab, o vereador e relator da peça orçamentária, Milton Leite (DEM) protestou. "O secretário disse que viria. Se não vem, não dá para discutir a proposta. Atrasa a discussão", afirmou à Agência Estado. O vereador democrata prometeu avisar ao prefeito sobre a ausência de Montone, que destoaria do restante do secretariado. "Não tem o menor respeito com a Câmara ou com o povo de São Paulo," emendou. Para o vereador Paulo Fiorilo (PT), integrante da Comissão de Finanças e Orçamento, a ausência de Montone, além de postergar o calendário de audiências sobre o orçamento, mostra "desrespeito". "Mais uma vez o secretário desrespeita o Legislativo", disse. Trâmite A proposta orçamentária enviada no mês passado à Câmara pelo prefeito Gilberto Kassab prevê uma receita total de R$ 29,3 bilhões para 2009. São R$ 4,1 bilhões a mais do que o previsto para 2008 - R$ 25,2 bilhões. A peça precisa ser votada pelo legislativo até 31 de dezembro. Antes disso, setores da sociedade civil apresentarão propostas de alteração nas audiências públicas, que serão compiladas pelo relator da proposta e podem originar emendas. Nesta terça-feira, 4, das 10 às 13 horas, os vereadores discutem o orçamento para os Transportes, com a presença do secretário da pasta, Alexandre de Moraes. As audiências públicas vão até 24 de novembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.