Aumento na importação de carros mobiliza metalúrgicos em SP

Categoria afirma que as importações estão afetando a abertura de vagas nas montadoras e já causam demissões no setor de autopeças

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

08 Julho 2011 | 02h49

SÃO PAULO - O aumento nas importações de veículos vem assustando o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, que promete mobilizar a categoria nesta manhã de sexta-feira, 8, a partir das 7h30. O protesto, que terá seu ápice na Rodovia Anchieta, irá contar com a participação do Sindicato de São Paulo.

 

Os dois sindicatos querem pressionar o Governo Federal a analisar o documento, aprovado em maio pelas centrais sindicais e pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que propõe medidas para proteger a indústria nacional e os empregos contra o avanço das importações.

 

A intenção dos metalúrgicos é, após reunir os profissionais de várias empresa da região do ABC, realizar um protesto na altura do quilômetro 12,5, da Anchieta, no limite entre a capital paulista e São Bernardo do Campo.

 

A concessionária Ecovias informou que está ciente da intenção dos metalúrgicos de bloquear a rodovia, mas não foi informada sobre o horário exato do protesto nem sobre o sentido da Anchieta que será utilizado pelos metalúrgicos. Caso ocorra o protesto, a concessionária solicitará apoio da Polícia Rodoviária Estadual e fará a sinalização necessária para que haja o menor transtorno possível aos motoristas.

 

Em nota, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Sérgio Nobre, alerta que "ninguém pode se deixar levar pela sensação de bem estar e otimismo trazida pelo bom momento econômico que o país atravessa; ao contrário, devemos chamar a atenção para as armadilhas que enfrentamos. A principal delas é a importação de um milhão de veículos este ano. As 700 mil unidades trazidas em 2010 impediram a abertura de 103 mil postos de trabalho. Como os novos números são 38% maiores, a quantidade de vagas que deixará de ser criada também será maior", afirmou.

 

O Sindicato afirma também que "as importações já começaram a causar demissões em autopeças da base porque carros importados trazem boa parte destes componentes do exterior. "É preciso pensar qual modelo de indústria o país deseja. Para isso realizamos um seminário e apresentamos ao Governo Federal um projeto para recriar uma Câmara Setorial com trabalhadores, governo e empresários para discutir a situação", completou Nobre.

 

Os objetivos da categoria ao realizar esse tipo de protesto, segundo o sindicato, são: fortalecer o emprego e a produção nacional; fortalecer a negociação coletiva e a representação sindical no local de trabalho; defender a geração de empregos com bons salários; ampliar as vagas para o ensino técnico e tecnológico nas instituições federais; aprimorar o financiamento à inovação tecnológica; criar canais formais de diálogo e negociação entre governo, empresários e trabalhadores; rever a condição da China como economia que não atua em condições normais de mercado; reduzir a taxa de juros; implantar um modelo tributário progressivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.