Aumento da conta incentiva redução de consumo em Santos

Condôminos varremcorredores para diminuir gasto com lavagem de área comum; em Santos, lei dá desconto no IPTU

LUIZ ALEXANDRE SOUZA VENTURA, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2015 | 05h00

O valor da conta de água é uma preocupação crescente de moradores e visitantes na Baixada Santista, principalmente, após o recente aumento das tarifas. Em Santos, no bairro do Embaré, um pequeno edifício de nove apartamentos que gasta, em média, 101 m³ de água por mês, adotou medidas para frear o custo, entre elas lavar as áreas comuns do prédio somente um vez na semana.

“Foi uma decisão em grupo, porque todos são afetados. Houve um acordo de que cada morador fará a sua parte, evitando sujar o prédio e, sempre que possível, varrendo uma parte dos corredores, da garagem e da escadaria”, explica Cida Senna, subsíndica do condomínio. “Em 2015, a conta de água do prédio subiu de R$ 350 para quase R$ 500, mas a quantidade de água usada por mês é a mesma nos últimos dois anos”, diz.

A administração santista tem trabalhado para tentar poupar suas bacias hidrográficas. Um levantamento feito neste ano, coordenado pelas Secretarias Municipais de Meio Ambiente (Semam) e de Desenvolvimento Urbano (Sedurb), identificou 268,9 m² de áreas com capacidade para captar água da chuva. São telhados de conjuntos habitacionais, prédios públicos, clubes, escolas, shoppings, igrejas e câmpus que podem ser utilizados nesta função.

No bairro do Boqueirão, um shopping instalou recentemente, em aproximadamente 25% de seu telhado, um sistema que capta água da chuva e a transfere diretamente para uma caixa com capacidade para 50 mil litros. “Essa água é exclusiva para limpeza de uma área de aproximadamente 3,5 mil m², da qual fazem parte as calçadas, o estacionamento e os corredores internos, lavados duas vezes por mês. Distribuímos em pontos específicos, com torneiras que permanecem trancadas com cadeados”, diz o administrador Julio Ramos.

Em Santos, uma lei entrou em vigor em 22 de dezembro, estabelecendo 10% de desconto no Imposto Predial, Territorial e Urbano (IPTU) para edificações que instalarem telhado verde em 80% de sua cobertura. Outra medida foi a instalação, em 70% dos 188 chuveiros da orla, de temporizadores que mantêm os equipamentos ligados por somente 15 segundos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.