Luis Cleber/Estadão
Luis Cleber/Estadão

Áudio desmente versão de que mãe teria ligado para a polícia; padrasto fez contato

Um áudio de Guilherme Longo falando com o 190 da Polícia Militar revela que foi ele quem ligou denunciando o sumiço do menino Joaquim, e não a mãe, como o padrasto mesmo havia declarado em depoimento anterior. Na gravação, Longo diz que o menino não era de se esconder e que ele e a mulher não sabiam o que tinha ocorrido.

O Estado de S.Paulo

18 Novembro 2013 | 02h04

"A gente colocou ele pra dormir. A gente foi dormir. A hora que a gente acordou ele não estava mais", diz o padrasto ao policial, que desconfia do fato de a criança ter sumido sozinha. O pai de Joaquim, Arthur Paes, disse ao Fantástico que já tinha pedido que o menino fosse morar com ele porque o padrasto usava drogas.

Relembre. Para a polícia, não há dúvidas de que Joaquim foi assassinado. Segundo o delegado Paulo Henrique de Castro, Longo continua como o principal suspeito do crime. O menino havia desaparecido na madrugada do último dia 5. Seis dias depois, seu corpo foi encontrado em um rio. A tese é que o menino, que era diabético, foi morto por uma superdosagem de insulina.

Mais conteúdo sobre:
Joaquim

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.