AMANDAPEROBELLI/ESTADAO
AMANDAPEROBELLI/ESTADAO

Audiência pública na Câmara vai discutir composto alimentar de Doria

Requerimento convida dois secretários municipais para participarem da discussão; comissão realiza reunião extraordinária sobre o tema na próxima semana

O Estado de S. Paulo

19 Outubro 2017 | 13h21

A Comissão de Administração da Câmara Municipal de São Paulo aprovou na tarde de quarta-feira, 18, a realização de uma audiência pública para discutir a distribuição do composto alimentar conhecido como "farinata" em instituições da rede pública da capital.

O composto alimentar é produzido a partir de alimentos próximos da data de vencimento e será distribuído na rede municipal de ensino a partir deste mês, segundo a Prefeitura. A patente do produto é da Plataforma Sinergia, uma organização da sociedade civil de interesse público (Oscip).

De autoria do vereador Alfredinho (PT), o requerimento convida a participar da audiência pública o secretário municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Filipe Sabará, e a secretária municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Eloisa Arruda, além da nutricionista e pesquisadora da Universidade de São Paulo Renata Levy e de um representante do Fórum da Assistência Social da Cidade de São Paulo.

Ainda não há data divulgada para o evento. No requerimento, o vereador levanta nove questionamentos sobre o produto, relacionados a campos como realização de testes de qualidade, distribuição e composição, dentre outros. 

Também na quarta-feira, outro pedido de audiência pública sobre o tema foi votado e negado na Comissão de Saúde, Promoção Social, Trabalho e Mulher, de autoria da vereadora Sâmia Bonfim (PSOL). Foi definido, contudo, que o programa Alimento para Todos voltará a ser discutido em uma reunião ordinária marcada para o dia 26 de outubro. Nas redes sociais, Sâmia organizada também um abaixo assinado em apoio à criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o composto alimentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.