Atropelador de ciclistas deve ficar internado

Laudo indica a necessidade de tratamento psiquiátrico; advogado pedirá habeas corpus

Elder Ogliari, O Estado de S.Paulo

03 Março 2011 | 00h00

Acusado de ter atropelado 12 ciclistas na sexta-feira, o bancário Ricardo Neis, de 47 anos, passou à condição de preso sob custódia ontem, por determinação da Justiça estadual e por estar internado para tratamento psiquiátrico no Hospital Parque Belém, na zona sul de Porto Alegre. Um laudo oficial indica que o bancário sofre de problemas psiquiátricos.

Atendendo pedido da Polícia Civil, a Justiça decretou a prisão preventiva do atropelador no fim da noite de terça-feira. Os policiais passaram a procurar por ele nos endereços disponíveis e foram informados por familiares que o bancário havia procurado atendimento médico. No hospital, ao amanhecer, deram voz de prisão a Neis, mas não puderam levá-lo à cadeia porque ele estava internado.

Sem informar o diagnóstico, o médico Hugo Hoerlle disse apenas que o motorista está sofrendo de estresse pós-traumático e "emocionalmente muito abalado", não tendo condições de prescindir de assistência especializada. O Estado apurou que médicos defenderam, em laudo, que o paciente seja mantido internado.

No fim da tarde, o hospital publicou uma nota simples em seu site sugerindo a transferência do paciente. "Por causa de toda exposição do acontecimento, com repercussão internacional e com a possibilidade de reações imprevisíveis, recomendamos às autoridades, em consonância com os nossos médicos envolvidos no caso, a transferência do paciente a uma unidade mais adequada à sua segurança."

No início da noite, a Polícia Civil aguardava a resposta da Justiça a um pedido de transferência de Neis para o Instituto Psiquiátrico Forense.

Habeas corpus. O advogado Jair Jonco anunciou que pedirá habeas corpus, alegando que ele não se recusou a prestar depoimento e tem trabalho e residência fixos, podendo aguardar as investigações e enfrentar eventual processo em liberdade.

PARA LEMBRAR

O atropelamento ocorreu na noite de sexta-feira no bairro Cidade Baixa, na capital gaúcha. Neis ultrapassou um grupo de 150 ciclistas, acelerando seu carro e atropelando vários deles para abrir caminho. Pelo menos 12 pessoas ficaram feridas, sem gravidade.

À polícia, ainda na segunda-feira, o bancário afirmou que agiu em legítima defesa dele e do filho de 15 anos, que estava a seu lado, porque temia ser linchado por ciclistas que cercaram o carro durante uma discussão que antecedeu a aceleração e a fuga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.