Atrasos diminuem e atingem 32% dos vôos em Congonhas

Dos 156 vôos programados até às 18 horas, 50 saem fora do horário e 40 são cancelados

Mônica Bernardes, do Estadão, e Mônica Aquino, do estadao.com.br,

22 de julho de 2007 | 18h17

Os atrasos diminuíram na tarde deste domingo, 22, no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, quando 50 dos 156 vôos tinham atrasos. Segundo a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), os atrasos atingiam 32% dos vôos programados até às 18 horas e 40 haviam sido cancelados. No Aeroporto Internacional de São Paulo (Cumbica), em Guarulhos, os atrasos atingiam 76 dos 196 vôos programados até às 17 horas, sendo a Infraero. Em Cumbica, dez vôos haviam sido cancelados neste domingo. No começo da tarde, o aeroporto tinha 62 atrasos, o equivalente a 45% dos vôos programados. A assessoria da Infraero em Cumbica atribui a situação no aeroporto a um aumento do fluxo de vôos e passageiros para o aeroporto, após o desastre da última terça-feira em Congonhas, que levou ao fechamento da pista principal do aeroporto da capital paulista e deixou muitas pessoas com medo de voar para lá. A situação também era complicada no Aeroporto do Recife, onde mais da metade dos vôos atrasaram neste domingo. Dos 28 vôos programados, 15 atrasaram (53,57%) tiveram atrasos até às 13 horas. Além disso, outros dois vôos foram cancelados. Apesar disso, o clima era de aparente tranqüilidade no local, bem diferente da madrugada de sábado, quando o empresário mineiro Rodrigo Meira, 28, foi expulso pela tripulação da TAM do vôo 9681 - que ia de Recife para Belo Horizonte. De acordo com as comissárias da empresa, Rodrigo havia feito uma piada de mau gosto sobre o acidente com o vôo 3054, o que deixou passageiros e tripulantes indignados. Horas depois, cerca de 150 passageiros da empresa foram obrigados a sair do avião (vôo 3491, com destino a Natal) depois que a aeronave apresentou problemas mecânicos.

Tudo o que sabemos sobre:
atrasosInfraero

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.