Atraso de salário causa paralisação

Funcionários de parte das unidades municipais de saúde sob o comando da Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM) iniciaram paralisação parcial dos atendimentos. O ato tem a adesão de médicos, enfermeiros, dentistas e demais responsáveis pela funcionamento de postos da região sudeste, que inclui bairros das zonas leste e sul da cidade, e visa a forçar a Organização Social (OS) a pagar salários atrasados. A SPDM diz que não pôde fazer os depósitos porque não recebeu da Secretaria Municipal da Saúde o repasse relativos aos serviços prestados. À noite, a secretaria informou que emitiu ordem de liquidação no valor de R$ 8,8 milhões para o pagamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.