Atrasa fiscalização da inspeção por radares

Atrasa fiscalização da inspeção por radares

Secretário Eduardo Jorge havia dito que multas começariam a partir de março, mas ainda faltam ajustes técnicos

, O Estadao de S.Paulo

30 Março 2010 | 00h00

Os radares da Prefeitura de São Paulo ainda não estão multando os motoristas que deixam de fazer a inspeção veicular, conforme previu o secretário do Verde e Meio Ambiente, Eduardo Jorge. Em fevereiro, ele afirmou que esse tipo de flagrante estaria incluído no "menu dos radares" a partir de março.

"A Secretaria Municipal de Transportes (SMT) está tratando dos aspectos técnicos. A previsão é que isso ocorra nos próximos meses", disse Jorge ontem. Procurada, a Secretaria de Transportes não se pronunciou sobre o assunto até as 20h. Atualmente, a fiscalização é feita nas blitze da Polícia Militar, em conjunto com a secretaria. O dono de veículo flagrado sem o teste tem de pagar multa de R$ 550. Além disso, o carro é apreendido.

Em 2010, todos os veículos têm de passar pela inspeção. Para atender a demanda, a Controlar, concessionária do serviço na capital, afirma que vai inaugurar mais quatro postos até junho. Três deles estão prontos: são dois no Morumbi, zona sul, e um na Casa Verde, região norte. O quarto fica na Água Branca, zona oeste. "Estamos esperando o momento mais adequado em função da demanda para abri-los", afirmou o presidente da Controlar, Harald Peter Zwetkoff. Pelo menos 2 milhões de veículos foram inspecionados desde 2008.

Adesão. Balanço parcial divulgado no dia 17 de março mostra que a reprovação aumentou neste ano. O maior acréscimo foi registrado entre os veículos a diesel: 8,22% não passaram no teste em 2009 e 18,45% em 2010. Os dados se referem apenas aos veículos com placas 1. Os de motor diesel são seguidos pelas motos no ranking da reprovação. Em 2009, 2,83% emitiam poluentes acima do permitido. Neste ano, esse índice já chegou a 11,83%. No caso dos automóveis, também houve aumento: de 0,55% em 2009 para 11,13% neste ano. / LUIZ GUILHERME GERBELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.