Atrás de Caetano e Gil só não vai quem já morreu

No enredo sobre Tropicalismo, a tietagem a ambos na Águia de Ouro atrasou a passagem da escola, que teve de acelerar o passo

CRISTIANE BOMFIM, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2012 | 03h04

Assédio do começo ao fim do desfile e um samba cuja letra ainda não estava na ponta da língua marcaram a estreia de Gilberto Gil e Caetano Veloso no Anhembi, já na madrugada de ontem, pela Águia de Ouro. A escola da Pompeia trouxe o enredo Tropicalismo - o movimento que não acabou.

Para driblar a dificuldade com o samba, Gil ainda levou uma cola com a letra para o carro alegórico. "Eu sou ruim de memória, por isso trouxe esse papel", assumiu o compositor, que preferiu o "enrolation" na avenida e fingia cantar enquanto a escola passava. Caetano não levou cola e aprendeu rápido o samba. Minutos antes de entrar na passarela, assumiu estar emocionado.

"Nós não teríamos feito o que fizemos se não tivéssemos vindo para São Paulo. E me emociona muito, porque essa é a primeira escola da cidade a levar para avenida o Tropicalismo", contou. Rita Lee, Ângela Maria, Cauby Peixoto e Roberta Miranda engrossaram a lista de celebridades no desfile.

Por causa do assédio de fãs e da imprensa, a participação dos artistas acabou tumultuando a organização. Na concentração, coordenadores da Águia tiveram problemas para colocar os cantores nas alegorias. Integrantes da escola queriam fotos e autógrafos. Repórteres faziam perguntas que os artistas não conseguiam ouvir por causa da bateria, que já tinha iniciado o "esquenta".

A escola acabou atrasando o desfile e teve de correr para não extrapolar os 65 minutos regulamentares. Na dispersão, mais uma vez tumulto. Eles demoraram quase 15 minutos para descer do carro alegórico. Todos queriam fotos.

A pedagoga Amanda Gesteira, de 33 anos, realizou um sonho que tinha, segundo ela, "desde que nasceu": conheceu Caetano Veloso. Mais do que isso, Amanda beijou a mão do ídolo e disse que o amava. Ganhou um sorriso, já na saída do Anhembi. "Ouço Caetano desde que nasci. Sou completamente apaixonada pela música dele."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.