Ativistas prometem bloquear a Av. Paulista no domingo, dia 22

Cerca de 3,5 mil pessoas de 50 coletivos sociais prometem bloquear um sentido da via

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

19 de setembro de 2013 | 22h39

O centro e o Parque do Ibirapuera, na zona sul, não devem ser os únicos cartões-postais de São Paulo fechados para os automóveis no domingo (22), Dia Mundial Sem Carro. Cerca de 3,5 mil pessoas de 50 coletivos sociais prometem bloquear um sentido da Avenida Paulista para uma “ação educativa”, destinada a discutir a mobilidade na capital paulista.

Quadra de basquete, parquinho infantil de material reciclado, piscina de bolinhas e área para piqueniques e para ioga são algumas das atrações prometidas por coletivos como Matilha Cultural, Tsunami e +Voz, unidos para o ato, que ganhou o nome de “Se a Paulista Fosse Minha”. Segundo um dos organizadores da Virada da Mobilidade, Edson Silva, esses dispositivos ficarão montados na pista sentido Consolação, em dois quarteirões na região do Museu de Arte de São Paulo (Masp).

“Há alguns meses, em reunião com a Secretaria de Transportes, foi sugerido pelo próprio poder público que nós fizéssemos uma ocupação com os coletivos na Avenida Paulista, para o Dia Mundial Sem Carro”, diz Silva, que também integra o movimento SampaPé. “Mas qual não foi a nossa surpresa quando, nesta semana, faltando poucos dias para a ação, recebemos uma nota informando que a Paulista não poderia ser mais utilizada.” A alegação é de que faltaria contingente da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) para desvios no trânsito.

O problema é que os coletivos já foram mobilizados e provavelmente não se importarão de ir para a Paulista com suas atividades mesmo sem o aval da gestão Fernando Haddad (PT). “Eles vão para a rua, vão fazer a ação e a pergunta que fica é: o poder público vai deixar de participar dessa oportunidade de discutir a cidade?”, afirma Silva.

Outro dos organizadores que haviam sido impelidos a convocar os coletivos, Marcio Nigro, criador do site Caronetas, afirma que o evento será pacífico. Nas conversas que tiveram com a Secretaria de Transportes, eles garantem que ficou acertado que o evento acontecerá das 10 às 22 horas. 

 secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, foi interpelado por Silva e Nigro ontem à tarde, durante um evento sobre mobilidade na zona sul, mas se esquivou de falar no assunto.

A cidade já recebeu outros eventos do tipo. O Minhocão, por exemplo, já teve algumas edições do festival Baixo Centro, com barracas de comida e música, sem autorização oficial da Prefeitura.

No domingo, a Prefeitura já informou que apoiará a restrição a carros apenas dentro da Rótula Central (perímetro viário marcado por avenidas como Mercúrio, Ipiranga, São Luís e a Rua Maria Paula) e no Parque do Ibirapuera.

Tudo o que sabemos sobre:
Dia Mundial sem carro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.