Divulgação @volpeimagens
Divulgação @volpeimagens

Ativistas pintam frase 'silêncio é apagamento' no Minhocão

Além da frase '#vidas pretas importam' na Avenida Paulista, o grupo pintou a hashtag '#o futuro é uma mulher preta' na Avenida Nove de Julho

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2020 | 13h31

Um grupo de ativistas pintou a frase "#silêncio é apagamento" na madrugada deste sábado, 28, no Elevado Presidente João Goulart, o Minhocão, no centro de São Paulo. A inscrição cobriu as duas pistas da via expressa (sentidos bairro e centro) do elevado.

A ação faz parte das manifestações motivadas pelo assassinato de João Alberto Silveira Freitas, espancado até a morte por dois seguranças do supermercado Carrefour Passo D'Areia, em Porto Alegre (RS), que ocorreu na quinta-feira,19.

Junto com a inscrição "#silêncio é apagamento", o grupo divulgou uma declaração: "Silenciar é uma violência. A violência da indiferença. De fingir não ver e de fingir não ser com você. Silêncio é apagamento quando não se contam as narrativas e as memórias, sufocando a identidade. Negra/Negro/Preta/Preto/Feminina/Trans LGBTQIA+. Do morador de rua, da falta de moradia, de educação, saúde, alimento. Das mazelas desta sociedade. A presidência deste país tenta apagar o racismo estrutural vivido dia a dia por milhares de Brasileiros. BASTA! Silêncio é apagamento."

O coletivo iniciou a pintura no Minhocão na noite desta sexta-feira, 27, e terminou por volta das 6h da manhã deste sábado. A intervenção coletiva independente foi realizada pelo grupo @nosartivistas.

De acordo com o artista plástico e produtor cultural Netto Duarte, membro do grupo @nosartivistas, a intenção das pinturas é atingir o maior número de pessoas. "Colocar o dedo na ferida, jogar luz no debate. A arte tem essa potência de despertar a reflexão", disse Duarte.

Segundo Duarte, mais duas frases serão pintadas em avenidas de São Paulo. "Ao todo são cinco mensagens que dialogam entre si sobre a questão do racismo estrutural", explicou Duarte.

Em nota, a Prefeitura informou que a Secretaria Municipal de Cultura apoiou a intervenção dos artistas que pintaram a mensagem no Minhocão.

Na noite de quinta-feira, 26, o grupo iniciou a pintura da frase “#o futuro é uma mulher preta” na Avenida Nove de Julho, nos Jardins, na altura da Alameda Lorena.

Na madrugada do dia 20, em manifestação contra o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, os ativistas pintaram a hashtag #vidas pretas importam" em uma das pistas da Avenida Paulista, sentido Rua da Consolação, em frente ao Museu de Arte de São Paulo (MASP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.