Atirador que roubou 4 carros se entrega

Apesar de balear 2 pessoas em surto psicótico, empresário disse que não tentou matar ninguém e achou que estava sendo perseguido

GIO MENDES, O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2012 | 03h03

O empresário e artista plástico Michel Goldfarb Costa, de 35 anos, acusado de cometer uma série de crimes na madrugada de segunda-feira, entregou-se à polícia na noite de ontem. Segundo investigadores do 26.º Distrito Policial (Sacomã), Goldfarb chegou à delegacia, na zona sul, por volta das 20h com seu advogado, Nicolau Aun, e a namorada. E disse que não tentou matar ninguém.

Após a sequência de acidentes, Goldfarb foi reconhecido por meio de uma foto, por testemunhas, como o homem que atirou em duas pessoas para roubar quatro carros e tentar levar outros dois, além de se envolver em quatro acidentes de trânsito na zona sul. À polícia, ele disse que saiu de casa na madrugada de segunda-feira porque pensou que alguém estivesse invadindo seu imóvel, em Caucaia do Alto, para matá-lo. Deduziu isso após ouvir o latido dos 12 cachorros. E teria sido ameaçado de morte por vizinhos no ano passado por causa do barulho dos cães.

Um porteiro viu Goldfarb sair do condomínio em um Corolla blindado, com uma arma na mão e colete à prova de bala. Ele dirigiu em alta velocidade até a Avenida dos Bandeirantes, onde derrapou após bater na guia. Roubou um táxi Meriva para continuar fugindo, pois imaginava que estava sendo perseguido. "Atirei na maçaneta para que a pessoa abrisse rápido a porta. Queria fugir porque estavam me seguindo."

Ele bateu o táxi roubado em um Fiat Brava e um Idea, na Avenida Presidente Tancredo Neves, no Sacomã. Goldfarb desceu do Meriva e abordou o eletricista Emiliano Borges em um EcoSport. Segundo testemunhas, ele atirou no veículo e acertou a barriga de Borges. Entrou no EcoSport, mas não conseguiu dar partida. Então correu em direção a um Logan e atirou no motorista, o engenheiro Ademir Guerretta, atingindo-o de raspão no braço. Atravessou a avenida e roubou um Polo. Bateu em um ônibus e roubou um Ka, abandonado na Avenida do Estado, após bater. Ali, teria roubado um Celta, deixado perto da Ponte da Casa Verde, na zona norte. "Não atirei em ninguém. A bala deve ter ricocheteado", disse, na delegacia. Após abandonar o último carro roubado na Casa Verde, Goldfarb disse que se escondeu em uma tubulação de esgoto por 12 horas.

Com discurso confuso, chegou a culpar as vítimas dos roubos. "Eles viram um cara com um colete e arma na mão e demoraram para entregar o carro? Também foram inconsequentes." Às 22h30, ele foi transferido ao 77.° DP (Santa Cecília).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.