Atirador da Aclimação passou noite tranquila na cadeia, diz carcereiro

Com suspeita de distúrbios psiquiátricos, Fernando Gouveia permaneceu calmo e calado na cela, afirma funcionário

Felipe Tau, O Estado de S. Paulo

19 Outubro 2012 | 10h09

SÃO PAULO - O administrador Fernando Behmer Cesar de Gouveia Buffolo, de 33 anos, preso na quinta-feira após atirar em três pessoas e se trancar na casa de uma amiga por cerca de 9h, na Aclimação, passou uma noite tranquila na cadeia, de acordo com um carcereiro do 31 º DP (Vila Carrão), na zona leste de São Paulo. Considerado uma pessoa com esquizofrenia pela família, Gouveia não teve qualquer tipo de surto, dormiu normalmente, fez todas as refeições e se manteve calado na cela, disse o funcionário. Ele dividiu o espaço com um professor.

Na manhã de quinta, por volta das 8h40, Gouveia baleou três pessoas na porta de casa após reagir a uma tentativa de internação. Ele disparou contra um oficial de Justiça, um enfermeiro e a própria amiga, a psicóloga Silvia Helena Godin, de 45 anos, dona do sobrado onde se encontrava. As vítimas estão internadas em três hospitais.

Responsável por mobilizar cerca de 30 policiais, que isolaram a Rua Castro Alves, onde fica a residência, ele se rendeu às 17h10. Antes de ir para o 31 º DP, onde ficam presos com nível superior, ele prestou depoimento no 6º DP e foi indiciado por quatro tentativas de homicídio - também disparou contra policiais que o cercavam. Na casa, foram encontradas cinco armas, entre revólveres, pistolas e uma espingarda calibre 12.

De acordo com especialistas, se for comprovado que Gouveia tem distúrbios psiquiátricos, ele pode ser considerado inimputável e não poderá ser condenado. Nesse caso, em vez da prisão, a Justiça aplicaria uma medida de segurança, como sua internação.

Um mandado de interdição judicial - transferência da responsabilidade pela pessoa interpelada para os seus familiares - já havia sido levado ontem pelo oficial de justiça que foi baleado.

Mais conteúdo sobre:
fernando gouveia cadeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.