Atendimento aos feridos mobiliza até a Argentina

Pacientes graves foram transferidos a hospitais de Porto Alegre e governo argentino anunciou que vai enviar pele para enxerto

O Estado de S.Paulo

28 Janeiro 2013 | 02h01

O atendimento aos feridos do incêndio da boate Kiss, em Santa Maria, mobilizou médicos, psicólogos, voluntários e hospitais de várias cidades e até da Argentina, que anunciou o envio de pele para enxertos para as pessoas queimadas. Feridos com queimaduras graves foram transferidos para Porto Alegre e, segundo o governo, centros de referências no Rio de Janeiro e Paraná estão prontos para receber eventuais pacientes.

A Secretaria Municipal de Saúde de Santa Maria anunciou uma campanha para doação de sangue no Hemocentro do Rio Grande do Sul a partir da manhã de hoje a fim de repor os estoques e ajudar as vítimas do incêndio de Santa Maria.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que esteve em Santa Maria ontem à tarde ao lado da presidente Dilma Rousseff, afirmou que cerca de 50 leitos em hospitais na Região Metropolitana de Porto Alegre ainda poderão receber os feridos.

Como medida de emergência, foram enviados aos hospitais de Santa Maria 20 respiradores mecânicos. Outros 30 deveriam chegar na noite de ontem para serem utilizados em caso de necessidade. "Neste momento, 30 pacientes estão respirando por aparelhos", disse o ministro durante a tarde. "Foram mais pacientes por infecção respiratória, pessoas que inalaram muita fumaça. A minoria dos feridos é de queimados."

Pelos números oficiais, 115 pessoas ficaram feridas. Ainda à tarde, a maioria estava internada nos Hospitais Caridade, Universitário e do Exército e em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) 24 horas de Santa Maria. Outros feridos foram para o Hospital São Francisco, também segundo dados oficiais divulgados à tarde.

Transferência. Foram transferidas para hospitais de Porto Alegre 24 vítimas com queimaduras graves. A Secretaria de Saúde do Estado e a Brigada Militar foram mobilizadas para a remoção em UTIs adaptadas.

Outros 11 feridos estavam em observação - também segundo dados da tarde - e poderiam ser removidos para a capital gaúcha dependendo da evolução de seus estados clínicos.

Uma equipe com médicos intensivistas, cirurgiões plásticos e técnicos de enfermagem foi enviada para Santa Maria, em um avião da Aeronáutica, para auxiliar no transporte dos pacientes a serem deslocados para a capital. No mesmo avião, embarcou equipe de apoio psicológico, a pedido da Coordenadoria de Saúde Mental de Santa Maria, para auxílio aos familiares das vítimas.

Psicólogos. Além do apoio aos feridos da tragédia, os governos federal e gaúcho iniciaram um auxílio psicológico aos familiares das vítimas. Segundo dados oficiais, foram mobilizadas 20 equipes para atender os parentes dos jovens mortos.

Padilha também disse que foram criados dois pronto atendimentos para socorrer as pessoas que inalaram fumaça tóxica por estarem próximas da boate. "Depois de três a quatro dias, algumas pessoas podem registrar um quadro de tosse e dificuldade de respirar. Isso pode sinalizar um quadro grave de pneumonia química, e é importante que as pessoas procurem os dois pronto atendimentos", afirmou.

Para auxiliar no suporte às vítimas, 12 médicos da Força Aérea Brasileira foram deslocados para Santa Maria e se juntaram às equipes da Força Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS). "A Força Nacional do SUS pode acionar outros profissionais se for necessário", acrescentou o ministro. Ainda de acordo com Padilha, essa equipe ficará à disposição pelo menos até amanhã.

O secretário Nacional da Defesa Civil, Humberto Viana, afirmou que o órgão está, juntamente com o governo federal, encarregado de coordenar as ações dos governos estadual e municipal no auxílio às vítimas.

Ajuda externa. O ministério da Saúde da Argentina afirmou ontem que ajudará os hospitais brasileiros com o envio pele para enxertos para as pessoas queimadas no incêndio de Santa Maria. "Colocaremos à disposição das autoridades brasileiras a quantidade de pele que possamos, de acordo com a existência de nossas reservas do banco de pele que funciona no hospital Garrahan", afirmou o ministério. ARIEL PALACIOS, TÁSSIA KASTNER, DENISE ABARCA, WELLINGTON BAHNEMANN, GUILHERME WALTENBERG

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.